MORTE DE ELOÁ – situação de Lindemberg se complica

Padrão

O delegado Luiz Carlos dos Santos, seccional de Santo André, afirmou na manhã deste domingo (19) que a morte de Eloá Cristina Pimentel, de 15 anos, complica a situação de Lindemberg Alves, 22, o ex-namorado da garota que a manteve refém por cem horas. De acordo com o delegado, Lindemberg, que tinha sido autuado em flagrante por três tentativas de homicídio, agora responde por duas tentativas e um homicídio. A morte cerebral de Eloá foi anunciada no fim da noite de sábado (18).

Em entrevista coletiva, Santos explicou que, além de atirar em Eloá e na amiga Nayara Silva, de 15 anos, Lindemberg também disparou em direção do primeiro policial militar que negociava a libertação das vítimas do seqüestro. Lindemberg foi autuado ainda pelos crimes de cárcere privado e periclitação de vida. Ele está detido no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo.

Ainda de acordo com o delegado seccional, a Polícia Civil aguarda que Nayara tenha alta do Centro Hospitalar Santo André para fazer uma reconstituição do desfecho do depoimento. Até este domingo, 18 pessoas já tinham prestado depoimento à Polícia Civil, incluindo os policiais que participaram da invasão do apartamento e a própria Nayara, quando foi libertada do cativeiro. A jovem voltou ao apartamento na quinta-feira (16) para ajudar nas negociações.

Novo depoimento

O delegado espera autorização do hospital para ouvir Nayara novamente, apesar de a diretora do estabelecimento, Rosa Maria Aguiar, ter dito, nesta manhã, que a garota não deve prestar depoimento enquanto não receber alta. “O depoimento é de vital importância porque ela estava no local dos fatos, no interior do apartamento”, afirmou Santos. O principal aspecto a esclarecer, segundo Santos, é por que Lindemberg tomou a decisão de atirar nas reféns.

Como a prisão foi em flagrante, explicou o seccional, o prazo para a conclusão do inquérito é de dez dias. A polícia ainda não sabe a procedência do revólver calibre 32 usado pelo seqüestrador para atirar nas reféns, pois a arma não tem registro. No apartamento também havia uma espingarda calibre 22, que seria da família de Eloá.

 Fonte:tudoagora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s