Veja detalhes do depoimento de Nayara à polícia

Padrão

O depoimento da estudante Nayara Silva, de 15 anos, revela que Lindemberg Alves, de 22, não tinha um plano definido ao entrar no apartamento da ex-namorada Eloá Cristina Pimentel, de 15 anos, e fazer refém um grupo de jovens. “A todo o momento, ele dizia que não sabia o que ia fazer. Sua intenção era encontrar Eloá sozinha”, disse Nayara à polícia de Santo André na quarta-feira (15), antes de retornar ao cativeiro. As duas foram baleadas sexta-feira (17) por Lindemberg, no desfecho de um seqüestro que durou mais de 100 horas.

No depoimento, ao qual o G1 teve acesso neste domingo (19), a jovem contou que na primeira noite do seqüestro, após libertar dois adolescentes que estavam no local com Eloá e Nayara, Lindemberg disse que os policiais não estavam acreditando nele e que só “botariam uma fé” quando uma das reféns fosse morta. Em seguida, disparou pela janela contra um policial.

“Após o disparo ele começou a sorrir, passando a dizer que ‘ele era o cara'”, afirmou a estudante à polícia. Lindemberg, então, pediu que os policiais se dirigissem ao pátio. De acordo com Nayara, o seqüestrador teria achado essa conversa divertida e afirmado que os policiais haviam demonstrado medo dele. “Ao observar o isolamento do prédio, ele disse que era o príncipe do gueto, o cara que mandava no local”, continuou a garota.

Mensagem no celular

Na noite de segunda-feira, ainda de acordo com o depoimento, o seqüestrador se acalmou. Seu comportamento voltou a mudar, no entanto, quando Lindemberg se apoderou do celular da ex-namorada e encontrou uma mensagem assinada por um homem chamado Felipe. O seqüestrador ligou para Felipe, se passando pelo irmão de Eloá, e disse que já sabia do “affair” entre os dois. Nayara contou que Lindemberg deu um bofetão em Eloá, quando a jovem começou a gritar.

Depois, o seqüestrador amarrou as duas jovens com fita adesiva e camisetas, para que ele pudesse dormir. Lindemberg forçou Eloá a beijá-lo, mas depois “não forçou mais atos de intimidade com Eloá”, segundo o depoimento.

Ao libertar Nayara, na terça à noite, o seqüestrador a levou até a porta e disse para correr. A jovem afirmou que ele ameaçou atirar em suas costas, caso ela saísse devagar.

Durante as 30 horas que permaneceu no local pela primeira vez, até terça à noite, a estudante disse que Lindemberg não a agrediu e efetuou “quatro ou cinco” disparos: um contra o policial, um contra pessoas que se aglomeravam em volta ao prédio, um contra o computador de Eloá e outros dois no banheiro. Segundo ela, ele tinha levado ao apartamento um revólver e um saquinho com munição. Uma segunda arma, definida como uma espingarda, foi encontrada pelo seqüestrador atrás do armário do quarto do casal, envolta em uma camiseta.

Fonte:tudoagora

»

  1. Olá Faby

    Esse caso em especial mecheu mto comigo,talvez tenha sido pela brutalidade e pelo tempo que essas meninas sofreram nas mãos desse assassino!
    Nesses casos eu só a favor da pena de morte!

    Abraços.

  2. Olá Elisabeth
    Obrigado pela visita,e e que bom que vc gostou,espero que continue visitando o Regganata,é pra isso que estou aqui!

    Abraços e sucesso pra vc!!!

  3. Olá pessoal
    Quero agradecer por tds as mensagens,pelo carinho e cuidado que tds tiveram em relação ao caso,pois meu intuito era prestar de alguma forma,solidariedade a familia e a tds vcs que assim como eu tb ficaram chocados com essa tragedia,bem então eu tenho certeza que consiguimos,mto obrigado a tds pelas manifestações de amor ao proximo!!!

    deixo um grande abraço a tds e meu mto obrigado!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s