Arquivo diário: 28 outubro 2008

MITOS E VERDADES SOBRE O USO DE CELULARES:baixe o programa repelente de mosquitos para celular

Padrão

São boatos que surgem em qualquer parte do mundo. Independente do poder econômico, grau de instrução e desenvolvimento da sociedade. E o mais interessante: os mitos são parecidos e costumam viajar em busca de novos mercados. Foi pensando nisso que juntamos estes fatos que beiram o mito na utilização de celulares, o que há de verdadeiro em tudo isso?

 1. Celular pode ser utilizado como repelente de insetos? (verdade)
Parece brincadeira mas não é. Existem diversos programinhas para celular que realmente repelem insetos emitindo sons de alta frequência impercetíveis aos ouvidos humanos, mas insuportáveis para os insetos ou simulando sons de seus predadores naturais. O AntiMosquito é um programinha muito bom: Baixe aqui

  2. Em caso de emergência, você pode ligar para o 190, sem créditos no pré-pago e com o teclado bloqueado. (verdade)
Inclusive pode ser feito sem o cartão SIM, apesar de que existam reclamações freqëntes de que certas operadoras não obedecem esta funcionalidade.

 3. Você deixou a chave dentro do carro. Se teu carro tem dispositivo de abertura remoto, poderá abri-lo ligando para sua casa solicitando que alguém pulse a chave reserva através do celular enquanto você aproxima seu aparelho da porta do carro para abri-la. (mito)
O RKE (Remote Keyless Entry) transmite fluxos de dados encriptados a um receptor dentro do carro via RF (sinal de Radiofreqüência), um sinal que não pode ser enviada através do telefone. Funcionaria se o sinal fosse baseado em som, mas não é o caso. Aquele som que ouvimos é só uma informação sonora pra dizer que aa portas estão travadas ou abertas. Ademais os sistemas RKE e os celulares operam em freqüências completamente diferentes por norma.

 4. Carga secreta da bateria. Só funciona com o Nokia, pulsando *3370#, a bateria terá 50% a mais de carga e poderá fazer aquela ligação tão urgente. (mito)
Possivelmente é um mito espalhado pelo próprio pessoal da fabricante. A única coisa que este código pode fazer em determinados aparelhos é mudar o modo de transmissão da informação. Só isso e quando funciona, não há carga extra de bateria. É como se uma bateria tivesse dentro dela uma outra fonte de carga esperando ser ativada. Asneira total.

 5. Desabilitar um celular roubado. Guarde o número de série de teu móvel discando *#06#. Se por acaso for roubado ligue para a operadora e informe este código para que bloqueiem o aparelho. (verdade)
.
Uma boa arma contra os ladrões de aparelhos ainda que existam formas de burlá-la.

 6. Testando o microondas. Coloque seu celular dentro do microondas e feche a porta. Faça uma chamada de outro telefone, se tocar, deveria jogar fora seu microondas pois não está isolado corretamente. (mito)
Dificilmente encontrará um forno de microondas completamente isolado. E mais importante: este eletrodoméstico é testado ao extremo na sua fabricação e homologação por pessoas capacitadas e por órgãos competentes. Nunca faça este teste em sua casa, pode ser extremamente perigoso.

 7. Cozinhando ovos. Mitos famosos que dizem que um telefonema de 65 minutos entre dois celulares pode cozinhar um ovo colocado entre ambos. (mito)
O mesmo pode ser aplicado a estourar pipocas com o aparelho, impossível.

 8. Descubra onde está e saiba onde quer ir. Qualquer aparelho com bluetooth pode ser usado como GPS. (verdade)
É só conectar um receptor GPS bluetooth com sistema de navegação.

 9. Navegar pela internet gratuitamente. Não se preocupe, não há nada suspeito nisto. Ao redor de todo mundo, existem milhares de pontos Wifi que estão abertos para navegação grátis (no Brasil, em geral, os shoppings). (verdade)
Todos sabemos que podemos acessar esta rede com um notebook, mas nem todos sabem que há a possibilidade de acessá-la via celular.

 10. Utilizar o celular pode causar câncer no cérebro . (Indeterminado)
Ainda que as fabricantes garantam que a potência de uma aparelho é muito pequena para gerar algum problema no ser humano existem diversos estudos que afirmam o contrário. Enquanto não se decidem, evite usar o aparelho em locais fechados como elevadores e carros quando o aparelho aumenta sua potência para localizar a antena mais próxima. De preferência use também o viva-voz ou fones de ouvido.

 11. O celular pode causar explosões em postos de gasolina. (mito)
Este mito é um daqueles que nasceu nas correntes de email via Internet e devido a uma série de confusões tornou-se quase que dogma. O que pode causar explosões em postos de gasolina é eletricidade estática. Assim que se você parar num posto self-service e entrar e sair do carro diversas vezes sem tocar em metal poderá acumular cargas elétricas e ao tocar na região próxima ao tanque… Buummm!!!

 12. O celular depois de muito utilizado, esquenta e pode explodir. (mito)
Celular não explode, senão a bateria avariada ou de procedência duvidosa (em geral as de Íon de Lítio). Então quando notar que o aparelho está esquentando além do normal providencie a troca da bateria ou leve o aparelho a assistência para verificar.

 13. Torres de celular são radioativas, morar próximo as estas construções podem causar doenças. (mito)
Este mito vem da confusão entre radiação e radioatividade. Radioatividade é um processo espontâneo de elementos fisicamente instáveis de emitir radiação ao desintegrarem já a radiação, neste caso a não ionizante, pode causar efeitos térmicos, mas não dano ao DNA ou moléculas.

Fonte: Uebas

Cobrança sexual: Outras causas

Padrão

O sexólogo Celso Marzano, diretor do Centro de Orientação e Desenvolvimento da Sexualidade (CEDES) e do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática (ISEXP-SP), cita, além da rotina no relacionamento, os problemas cotidianos como inimigos do prazer. “O dia-a-dia conspira contra o sexo, pois conciliar a família, os amigos, o trabalho e os nossos interesses pessoais é muito difícil. Adicionamos ainda a todo esse estresse a situação financeira instável, outras questões que afetam nosso controle emocional e o envelhecimento inevitável do nosso corpo. Por tudo isso, em algum momento acabamos apresentando algum tipo de disfunção sexual, de maior ou menor grau”, define.

Algumas pessoas vêem a vontade de fazer sexo diminuída por motivos que afetam o interesse físico no parceiro, o equilíbrio psicológico ou doenças que as debilitam. A falta de higiene pessoal, a obesidade, o alcoolismo, a estafa física, a depressão, a baixa auto-estima, possíveis incômodos e o uso de medicamentos, como alguns calmantes, antidepressivos e anti-hipertensivos, podem prejudicar a libido. As próprias alterações hormonais, principalmente aquelas ocorridas na menopausa, ou mesmo na tensão pré-menstrual, às vezes dificultam a resposta sexual. “Também há pessoas que são condicionadas a só se sentirem atraídas por corpos jovens e perdem o interesse quando o cônjuge envelhece, da mesma forma que alguns homens deixam de sentir desejo por mulheres que se tornaram mães de seus filhos”, comenta Ana Maria Zampieri, que acrescenta que os cuidados com o corpo, sem exageros, e a auto-estima são fundamentais para resgatar o prazer no sexo.

Elas hoje querem parceiros mais receptivos, que não utilizem seu poder para fazê-las submissas, e reclamam que o homem brasileiro ainda é muito ‘machão’. Mas elas próprias, ao serem mães, favorecem a formação de homens machistas

A falta de orgasmo durante a relação sexual e, também, a obsessão em atingi-lo são outros fatores que desestimulam as mulheres. Segundo o ginecologista Eliano Pellini, isso pode causar mal-estar e dores na região pélvica. “A congestão de sangue nos órgãos sexuais femininos fica retida quando a mulher passa muito tempo sem alcançar o orgasmo, o que geralmente leva ao que chamamos de dor pélvica crônica”, esclarece o médico. Outro problema surge quando a mulher não é estimulada corretamente e não se excita a ponto de ficar lubrificada. Sem esta preparação preliminar, que deve ser provocada pelo homem, o ato sexual torna-se doloroso e pode causar vaginismo (contração muscular involuntária que impede a penetração), fissuras, infecções e corrimentos que somente irão piorar e prolongar o desconforto nas próximas relações – um ciclo que elimina o prazer sexual. É bom lembrar que quantidade não traduz qualidade.

A “obrigação sexual” é ainda mais intensa quando o parceiro que exige sexo mesmo que o cônjuge não esteja com vontade. “Para resolver este impasse, o primeiro passo é o diálogo, pois esta postura exigente só leva a maiores desgastes e afastamentos”, alerta o sexólogo Celso Marzano. Eliano Pellini e Ana Maria Zampieri afirmam que muitas mulheres não têm prazer porque seus maridos e elas mesmas não receberam educação para o prazer. “Deve-se saber dizer não quando não se quer, e, claro, explicar o porquê. Não faz sentido se submeter a verdadeiros estupros na cama conjugal. Isso é violência legitimada pela cultura machista”, adverte a psicóloga. Para o ginecologista, muitas disfunções sexuais como esta seriam sanadas se houvesse uma reforma global na educação das crianças, por exemplo. “Elas hoje querem parceiros mais receptivos, que não utilizem seu poder para fazê-las submissas, e reclamam que o homem brasileiro ainda é muito ‘machão’. Mas elas próprias, ao serem mães, favorecem a formação de homens machistas e meninas que crescem achando que devem servi-los”, atesta Eliano Pellini.

Fonte:bolsademulher