Arquivo mensal: maio 2009

17 dicas para sua cama ferver!

Padrão

Misture um bocado de intimidade e muita paixão. Acrescente uma pitada de ousadia. Eis a receita perfeita para aumentar a temperatura entre os lençóis

3 filmes inspiradores

 

Tenha uma noite repleta de paixão

1. Corpos ardentes 
O filme conta a relação de amor e sexo entre um advogado (William Hurt) e uma milionária sexualmente insatisfeita (Kathleen Turner). 

2. Irresistível paixão 
Essa é a história de um romance ardente entre um charmoso ladrão (George Clooney) e uma agente de polícia (Jennifer Lopez). 

3. Beleza roubada 
Depois da morte da mãe, uma jovem (Liv Tyler) vai à Itália para reencontrar o primeiro amor da vida dela.

10 rituais que não saem de moda

Como conseguir o melhor sexo da sua vida 

1. Durmam nus juntos 
Essa é uma estratégia maravilhosa para aumentar a cumplicidade do casal. 

2. Deitem abraçadinhos 
Que tal fazer a posição de conchinha no último dia de férias? E deixe o celular tocar… 

3. Explore uma parte inédita do corpo 
Use uma blusa tomara-que-caia e peça que ele comece beijando seus ombros… 

4. Elogie 
Seu marido e o brinquedinho dele gostam de paparicos. 

5. Uma sobremesa, duas colherzinhas 
E você sempre come o último pedaço. Nada melhor do que compartilhar! 

6. Busque-o na rodoviária depois de uma longa viagem 
Matar a saudade com beijos molhados é tudo de bom! 

7. Sentem-se na última fileira do cinema
 Aproveite para namorar. 

8. Tomem banho juntos 
Vocês relaxam e colocam a intimidade em dia. 

9. Mostre sua lingerie mais sexy 
Depois de lavá-la, deixe-a secar em um lugar que ele possa ver. Quer maneira melhor de acender a chama dele? 

10. Sempre diga boa noite 
Faça isso mesmo quando estiverem brigados. Pra que dormir com raiva?

Consiga o que quer na cama

Vale para as tímidas e envergonhadas

1. Não se julgue 
Entre quatro paredes, nada é vergonhoso. Apenas peça o que quer. 

2. Parabenize-o sempre que ele fizer algo que você a-do-ra 
Assim, ele vai descobrir como fazer o que agrada você. 

3. Conte a ele o que você gosta 
Depois, mostre. Pegue as mãos dele e coloque exatamente onde você quer. Ele pode satisfazê-la! 

4. Pergunte o que ele quer fazer 
Assim, ele perde qualquer sinal de timidez… e você também!  

 

 Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

Tenha orgasmos sempre!

Padrão

O caminho do prazer

Se, para você, atingir o clímax é simplesmente uma questão de entrega, ânimo (seu e do parceiro) ou mera sorte, comece a comemorar: a revista americana Glamour acaba de publicar uma reportagem sobre a posição que, garante, fará você alcançar o orgasmo em absolutamente todas as suas transas! Testada e aprovada, ela pode ser colocada em prática sem mistério (ou seja, nada de malabarismos!) e funciona independentemente de idade, tipo físico ou experiência. E, para garantir que sua satisfação seja mesmo completa – e por que não? – diversificada, Viva! ainda lista outras quatro posições deliciosamente poderosas. Transforme de vez o orgasmo em rotina na sua vida sexual!

1. Deleite garantido

Deitada de bruços, coloque um travesseiro sob os quadris e outro sob a cabeça. Assim, a barriga ficará encostada na cama; e a cabeça e o bumbum, mais levantados. Importante que, durante os movimentos, nenhum dos apoios mude de lugar. Ou seja, eles devem acompanhar a dança. É o contato constante do travesseiro com a pélvis que garantirá o sucesso da posição – traduzindo: orgasmo! Ah, sim, o moço deve ficar por cima de você.

>> Grau de dificuldade: Fácil

2. Estímulo duplo

De costas para o companheiro, deite-se sobre ele, deixando seu corpo paralelo ao do gato. Ambos devem ficar com as pernas juntas e esticadas. Se for preciso, ele pode flexionar os joelhos e você, abrir as pernas levemente. O melhor dessa posição é que, ao mesmo tempo em que a penetra, o parceiro pode estimular seu clitórios ou seus seios com as mãos. Ou seja, você terá prazer em dose dupla!

>> Grau de dificuldade: Fácil

3. Porta do paraíso

Vocês nunca mais encararão a porta do quarto (ou de qualquer outro cômodo) da mesma maneira. Apóie as costas em um dos batentes. O parceiro deve fazer o mesmo no lado oposto. Com as pernas dele apoiadas no batente onde você está encostada, encaixe-se no parceiro, ajustando a altura das suas pernas e costas. Quanto mais estreito o espaço entre um batente e outro, melhor!

>> Grau de dificuldade: Difícil

4. T de tesão

Deitada de costas, erga as pernas em direção à cabeça, mas mantenha-as juntas ao corpo (você poderá segurá-las com as mãos para facilitar o processo). O moço vem por cima, de lado, de modo que seus corpos formem a letra T. Assim, o pênis entra inclinado, provocando sensações totalmente diferentes.

>> Grau de dificuldade: Médio

5. Prazer à mesa

O rapaz está sentado em uma cadeira, com os quadris na beira do móvel e as pernas esticadas. Você, então, senta no colo dele, com as costas viradas para o bonitão. Incline-se para frente e apóie os cotovelos sobre uma mesa. O ideal é que o objeto esteja distante da cadeira, mas, se ficar complicado, vale aproximá-los.

>> Grau de dificuldade: Médio

 

 Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

Depois de processo, programa “CQC” passa a ser gravado

Padrão

O programa “CQC” que foi ao ar na segunda-feira não era ao vivo. Segundo a coluna “Outro Canal”, do jornal “Folha de S. Paulo”, na semana que vem a atração também será gravada. O grande problema seria uma liminar concedida pela justiça na semana passada impedindo reprise de programa anterior em que o apresentador Marcelo Tas chamou as integrantes do grupo Sexy Dolls, atrizes de filmes pornográficos, de prostitutas.

Em resposta à coluna, a Band diz que o programa foi gravado por questões operacionais.

 Fonte: http://www.abril.com.br/noticias

Menstruação na gravidez

Padrão
Menstruação ou sangramento durante o primeiro trimestre da gravidez: por que ocorre e o que fazer.

A menstruação na gravidez, na verdade, não é menstruação propriamente dita, sendo conhecida tecnicamente por sangramento vaginal. Mesmo assim desperta dúvidas e temores em muitas grávidas.

De fato, muitas gestantes experimentam quadro que se assemelha a menstruação na gravidez, principalmente no primeiro trimestre. É importante identificar as características do sangramento vaginal para saber quando consultar seu obstetra.

Causas de sangramento durante o primeiro trimestre

Um pequeno sangramento é comum nas primeiras 12 semanas de gravidez. Possíveis causas:

  • Implantação. É comum notar um pequeno sangramento vaginal logo no início da gravidez, em torno de 10 a 14 dias após a fecundação. Muitas vezes confundido com menstruação fora do ciclo, por isto muitas mulheres dizem que tiveram menstruação na gravidez. Este sangramento leve deve-se a implantação do embrião na parede do útero. A coloração do sangue é mais clara e a duração do sangramento é menor do que em uma menstruação normal. Não é motivo para alarde.
     
  • Mudanças no colo do útero. Quando você está grávida, mais sangue flui para útero, por isto o colo pode ficar mais sensível e sangrar após o sexo ou exame ginecológico.
     
  • Gravidez ectópica. Algumas vezes o embrião implanta-se fora do útero, geralmente na trompa. Isto é conhecido como gravidez ectópica. O embrião fora do útero na sobrevive, e sem tratamento pode ocorrer sangramento vaginal acompanhado de dor pélvica ou abdominal.
     
  • Gravidez molar. Raramente, uma massa chamada mola forma-se dentro do útero no lugar do bebê, resultando em sangramento.
     
  • Infecções. Infecções que acometem a vagina e o colo do útero podem resultar em sangramento.
     
  • Aborto. Em torno de 15% das gestações conhecidas terminam na forma de aborto. O sangramento pode significar um aborto precoce. Mas é importante lembrar que nem todo sangramento significa aborto, pelo contrário.

Quando procurar o médico

Durante o primeiro trimestre, se você tiver um sangramento vaginal leve que não persiste por mais de um dia, relate o fato para o seu médico na próxima consulta de pré-natal. Já se o sangramento leve perdurar por mais de um dia, procure seu médico nas próximas 24 horas.

Procure seu médico imediatamente se:

  • Se o sangramento for moderado ou abundante;
  • O sangramento for acompanhado de dor, cólica, febre ou calafrios;
  • Houver outros materiais junto com o sangue.  

 

  Fonte: http://www.bancodesaude.com.br/

Ministério Público pede que SBT pague R$ 1 milhão por caso Maisa

Padrão

O Ministério Público do Trabalho promove uma ação civil pública contra o SBT e pede à Justiça que a emissora indenize os trabalhadores em R$ 1 milhão. O valor seria revertido para o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador).

O órgão contesta o trabalho da menina Maisa da Silva Andrade, 7, e alega ainda dano moral coletivo.

 
Procuradoria acusou SBT de desrespeitar leis que permitem o trabalho de menores e pediu que emissora pague R$ 1 milhão
Procuradoria acusou SBT de desrespeitar leis que permitem o trabalho de menores e pediu que emissora pague R$ 1 milhão

O procurador Orlando Schiavon Júnior, da Procuradoria do Trabalho no Município de Osasco, deu entrada com a ação civil pública acompanhada de um pedido de liminar, ainda não analisado pelo juiz da 2º Vara do Trabalho de Osasco, na última sexta-feira (22).

Em suma, a procuradoria pede mais controle sobre o trabalho da menina e diz que ela tem autorização para gravar nas tardes de quarta-feira. A ação civil pública não cita apenas os episódios nos quais Maisa chorou no “Programa Silvio Santos”. O quadro “Pergunte a Maisa” foi barrado na sexta-feira por autorização judicial.

O procurador cita, por exemplo, o fato de a menina ter substituído os apresentadores Yudi e Priscilla durante as férias da dupla em janeiro.

O texto lembra também que o trabalho para menores de 16 anos é proibido, mas autorizado em algumas manifestações artísticas desde que se cumpram alguns requisitos –como poupança para a menor, que não seja a renda principal da família, que não prejudique a escola, entre outros pontos.

As questões que levaram Maisa a chorar no “Programa Silvio Santos” foram citadas como desrespeito a tais leis.

O SBT não se pronuncia sobre o assunto.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/

Tudo sobre o Transtorno do Pânico

Padrão

Um ataque de pânico é um episódio de medo intenso que surge sem razão aparente e desencadeia várias reações físicas. Sentimentos assustadores de estar perdendo o controle, enlouquecendo, tendo um infarto ou mesmo morrendo, acometem um indivíduo que está tendo um ataque de pânico. Ataques ou crises de pânico são sinônimos.

As pessoas podem ter um ou dois ataques de pânico no decorrer da vida.

Transtorno de pânico ou síndrome do pânico é o desenvolvimento de um quadro onde os ataques de pânico tornam-se freqüentes, evoluindo para um tipo de transtorno de ansiedade crônico. Transtorno ou síndrome do pânico  são sinônimos.

O transtorno de pânico pode ser confundido com estresse ou nervosismo, mas na verdade, trata-se de uma doença real, com implicações sérias no organismo e na vida do indivíduo. Apesar disto, a síndrome do pânico tem tratamento, que inclui medicações, psicoterapia e técnicas de relaxamento que ajudam a prevenir e controlar os ataques de pânico.

Sintomas do pânico

Os sintomas de uma crise de pânico podem simular diversas outras doenças, como infarto do coração, derrame, vertigem, asma, dentre outros. Devido a esta possível confusão, é essencial a avaliação do médico para um correto diagnóstico e tratamento.

Uma pessoa pode ter vários dos sintomas abaixo, mas raramente todos ao mesmo tempo. Abaixo estão listados os sintomas de uma crise de pânico:

  • Palpitação, taquicardia ou coração acelerado;
  • Suores, sudorese, extremidades frias ou calafrios;
  • Tremores;
  • Falta de ar, sensação de sufocamento, fôlego curto ou respiração acelerada;
  • Calafrios ou ondas de calor;
  • Náusea, enjôo ou embrulho no estômago;
  • Dor ou cólica abdominal;
  • Dor ou opressão no peito;
  • Dor de cabeça ou sensação de cabeça cheia;
  • Tontura;
  • Fraqueza;
  • Bolo na garganta ou sensação de que não consegue engolir;
  • Sensação de que vai enlouquecer ou perder o controle;
  • Sensação de morte iminente.

As crises ou ataques de pânico duram alguns minutos e raramente acometem uma pessoa por horas seguidas.

As crises de pânico podem surgir a qualquer momento sem nenhum fator desencadeante, mas também podem estar associadas a algumas situações estressantes.

É comum, que pessoas com transtorno de pânico passem a evitar sair de casa devido ao medo do ter um ataque de pânico.

Causas do pânico

Não existem causas conhecidas para o transtorno ou crises de pânico. No entanto alguns fatores podem contribuir para o seu desenvolvimento:

  • Fatores genéticos;
  • Estresse;
  • Alterações em estruturas cerebrais.

Fatores de risco para o transtorno de pânico

Sintomas de pânico geralmente iniciam-se na adolescência até por volta dos 30 anos. É mais comum em mulheres do que em homens.

Muitas pessoas têm apenas uma ou duas crises de pânico no decorrer da vida, e o problema desaparece, sem evoluir para um transtorno de pânico.

Alguns fatores podem elevar o risco de alguém desenvolver o transtorno de pânico, tais como:

  • Parentes com síndrome do pânico;
  • Evento estressante significativo ou duradouro;
  • Morte ou doença séria em pessoas amadas;
  • Abusos físicos ou sexuais na infância;
  • Acidentes, assaltos, estupros ou outros eventos traumáticos

Diagnóstico do pânico

O diagnóstico da síndrome do pânico é realizado por um médico, em especial o médico psiquiatra. Para isto, o médico fará uma consulta para detalhar toda história do quadro e também solicitar exames que servirão para descartar outros diagnósticos, como problemas cardíacos ou de tireóide.

Avaliações e testes podem incluir:

  • Anamnese, que inclui uma entrevista detalhada sobre a história das crises.
  • Exame físico, tais como avaliação do coração e da pressão arterial.
  • Exames laboratoriais, tais como exames de sangue como hemograma, glicose, bioquímica e hormônios da tireóide.
  • Exames de imagens, tais como tomografia computadorizada de crânio.

A solicitação de exames complementares depende da avaliação médica e de cada caso.

Nem todo mundo com crise de pânico tem o diagnóstico de transtorno de pânico. Alguns critérios são essenciais para o diagnóstico:

  • Os ataques de pânico são inesperados e freqüentes;
  • Existe preocupação em ter outro ataque de pânico;
  • Algumas situações ou locais passam a ser evitados devido ao medo de se ter crises de pânico;
  • As crises de pânico não são causadas por substâncias de abuso, outras doenças clínicas ou mesmo por outras doenças mentais, como depressão.

Complicações do pânico

Quando não se busca o diagnóstico e o tratamento adequado, o transtorno de pânico pode acarretar diversos prejuízos à saúde e qualidade de vida do paciente.

Complicações devido ao transtorno de pânico:

  • Desenvolvimento de fobias, como medo de dirigir ou de sair de casa;
  • Retraimento social e isolamento;
  • Problemas no trabalho ou nos estudos;
  • Depressão;
  • Abuso de álcool e de outras substâncias;
  • Suicídio.

Tratamento do pânico

O tratamento do transtorno e das crises de pânico é muito efetivo. O objetivo do tratamento é eliminar todos os sintomas do pânico, para que o indivíduo volte a sua vida normal e não mais se preocupe com as crises.

Medicações

As medicações para o transtorno de pânico ajudam a reduzir e prevenir os sintomas. Os medicamentos para o pânico são prescritos pelo médico, em especial pelo médico psiquiatra, levando em consideração o diagnóstico e o perfil de cada pessoa.

Diversos tipos de medicamentos podem ser utilizados:

  • Inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS). Geralmente são utilizados como primeira escolha no tratamento do transtorno de pânico. Incluem fluoxetina, paroxetina, sertralina, citalopram e escitalopram.
  • Inibidores de recaptação de noradrenalina e serotonina (IRNS). Incluem venlafaxina e duloxetina.
  • Antidepressivos tricíclicos. Medicamentos da classe dos antidepressivos, que apesar de efetivos, estão relacionados a uma maior chance de efeitos colaterais. Incluem amitriptilina, clomipramina, nortriptilina e imipramina.
  • Benzodiazepínicos. Estes medicamentos são considerados tranqüilizantes. Geralmente utilizados no início do tratamento ou de forma eventual para combater as crises. Devido ao potencial para causar dependência a eles associados, seu uso deve ser feito com parcimônia. Incluem alprazolam, bromazepam, clonazepam, cloxazolam, dentre outros.

Psicoterapia

A psicoterapia, geralmente conduzida por um psicólogo especializado, pode ajudar na compreensão da crise de pânico e no desenvolvimento de estratégias para lidar com ela.

A terapia cognitivo comportamental é a mais indicada para o tratamento do transtorno de pânico. Este tipo de psicoterapia é voltada para a mudança de padrões de pensamento que desencadeiam as crises de pânico. Durante as sessões o paciente aprende a reconhecer pensamentos e situações de dão início aos ataques, desenvolver maneiras de controlar a ansiedade e técnicas de auto-relaxamento.

Prevenção

Não existem formas eficazes de prevenir o transtorno do pânico. No entanto, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado são essenciais evitar que o quadro torne-se crônico ou até mesmo, que piore em termos de intensidade e freqüência das crises.

Pânico: referências bibliográficas

Este guia sobre transtorno de pânico foi produzido pelo Editorial Médico utilizando fontes nacionais e internacionais de confiança para apresentar informações atualizadas e respaldadas em consensos e pesquisas médicas. Dentre as fontes científicas utilizadas estão:

  1. Campbell-Sills L, Stein MB: Guideline Watch: Practice Guideline for the Treatment of Patients With Panic Disorder. Arlington, VA: American Psychiatric Association, 2006. Revisão sistemática conduzida por um grupo de experts em transtorno de pânico da Associação Americana de Psiquiatria.
     
  2. American Psychiatric Association: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 4th ed (DSM-IV). Washington, DC, APA, 1994. Quarta edição do Manual Estatístico e Diagnóstico de Doenças Mentais.
     
  3. Organização Mundial da Saúde: Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10).

A esperança chama-se Reciclagem

Padrão
A principal dúvida que as pessoas têm em relação à questão da reciclagem é se ela realmente funciona e até que ponto é essencial para a sobrevivência da população e para garantir o futuro da humanidade.
È ai que se chega à questão do desenvolvimento sustentável, ou seja, suprir as necessidades básicas da atual geração sem prejudicar a de gerações futuras. Partindo desse conceito a grande ferramenta para a garantia de vida das populações é a questão do lixo. Recentemente cientistas se basearam na utilização da teoria dos 3 R’s como tentativa para esse problema mundial. O primeiro é a redução, que se refere à economia e o consumo consciente; o segundo a reutilização, que é o máximo aproveitamento dos materiais; e por último tão importante quanto os primeiros vem a reciclagem, que faz os materiais retornar em à cadeia produtiva para um novo ciclo de utilização.
É como afirma a estudante de Saneamento e Controle Ambiental, com ênfase em reciclagem, da UNICAMP, Maria Esther Antunes de Toledo: “Antes de se reciclar é necessário pensarmos em reduzir o consumo de produtos, despertando na população a noção de consumo consciente”.
Com o aumento acelerado da população mundial e consequentemente do lixo produzido, mais do que nunca é necessária a conscientização dos cidadãos do mundo para cada um fazer sua parte. Segundo Maria Esther: “ Segregar o resíduo e destinar à coleta seletiva é uma parte deste processo e essencial mas lembrando que a mudança de hábitos é inquestionavelmente o principal, pois só assim conseguiremos preservar o meio ambiente”.
Mas de acordo com o dono da empresa GTF que comercializa materiais para reciclagem, Roberto Torres, uma noticia animadora: A população nos trás cada vez mais produtos para a reciclagem porque aumentou o conceito de cuidar do meio ambiente. São materiais que eram jogados no lixo e que hoje em dia são trazidos para transformar o velho em novo, com preocupação voltada à natureza e posteriormente serem usados para fabricação de outros produtos”.