Arquivo diário: 10 julho 2009

Joe Jackson: “Michael foi vítima de um assassinato”

Padrão

De acordo com Joe Jackson, 79 anos, pai de Michael Jackson, o ídolo do pop foi morto no dia 25 de junho vítima de assassinato, segundo afirmou em uma entrevista ao canal ABC, exibida nesta sexta-feira (10) com alguns trechos de suas declarações.

O patriarca da família Jackson afirmou que Michael “foi vítima de um assassinato”.

As investigações sobre a morte do artista após uma parada cardíaca aponta para um grupo de médicos sob suspeita de cumplicidade na dependência do cantor em sedativos pesados.

O Instituto Médico Legal exigiu na quinta-feira (9) que os médicos que cuidaram de Michael nos últimos anos entreguem seus históricos, informa o jornal “Los Angeles Times”.

Na entrevista à ABC, o pai de Michael Jackson afirma que não sabia do vício do ídolo pop em medicamentos.

“Eu não sabia o nome dos remédios que Michael tomava”, declarou Joe Jackson.

“Os medicamentos deveriam ajudá-lo a dormir. Mas ele nunca acordou. Michael morreu durante o sono”.

 

 Fonte: http://www.folhavitoria.com.br

Lula fecha olhos para escândalos quando lhe convém, diz ‘Economist’

Padrão

Revista britânica chama Senado de ‘Casa dos Horrores’ e comenta escândalo dos atos secretos.

O revista britânica The Economist diz na edição que chegou às bancas nesta sexta-feira que os escândalos do Senado brasileiro são um lembrete das falhas cometidas por aliados do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da “disposição de Lula em fechar os olhos para escândalos quando lhe convém”.

O artigo é intitulado “Casa dos Horrores”, em uma referência ao Senado, “que tem 81 membros mas, de algum modo, requer quase 10 mil funcionários para cuidar deles”.

Muitos dos funcionários da Casa, segundo a revista, “foram apontados como favores a amigos dos senadores ou simpatizantes políticos”.

A revista comenta a pressão sobre o presidente do Senado, José Sarney, por conta do escândalo.

Sarney é aliado de Lula, afirma o artigo, e o presidente estaria interessado no apoio do PMDB – Partido de Sarney – para a provável candidatura de Dilma Rousseff pelo PT.

“Muitos senadores, de todo o espectro político, cometeram erros. Quando o líder do opositor PSDB foi passear em Paris, por exemplo, o Senado pagou a conta do hotel. (Ele diz que foi um ‘empréstimo’). Então parece injusto que Sarney seja o único pressionado a renunciar”, diz a Economist.

“Mas ele também não pode se dizer ignorante sobre o que se passava no Senado. Este é seu terceiro mandato como presidente. Durante um período anterior, ele apontou Agaciel Maia (chefe da administração do Senado) para sua lucrativa posição.”

O artigo ainda comenta outros deslizes de José Sarney, mas afirma que ele é “um sobrevivente” e “provavelmente vai manter seu posto”, justamente por ainda ter poder dentro do PMDB e ser aliado de Lula.

“Lula disse que Sarney merece mais respeito e culpou a imprensa por inflar o escândalo. Mas no momento em que a economia está apenas emergindo de uma recessão, a saga dos ‘atos secretos’ lembra os brasileiros que seus políticos nunca impõem austeridade a si mesmos”, afirma a Economist.

 

 Fonte: http://noticias.br.msn.com/