Arquivo da tag: elogios

O que é, o que é que não é de comer mas abre o seu apetite… sexual?

Padrão

Três mocinhas elegantes deitam-se de bruços sobre cangas coloridas na areia da praia. O assunto é: afrodisíaco.

– Amendoim – diz C.

– Ovo de codorna! Ostra! – emenda J.

– Só clichê, hein? – reclama E.

Silêncio.

– Inteligência é afrodisíaco.

– Admiração…

– Um metro e oitenta!

E começam a falar ao mesmo tempo, as três mocinhas elegantes, num agudo de dar inveja a qualquer soprano.

– O proibido.

– Adoro!

– O medo de alguém entrar no quarto…

– A possibilidade de alguém estar olhando.

– Comprar uma calcinha nova.

– Sair sem calcinha.

– Depilação cavada.

– Verão!

– Inverno…

Primavera e outono não são citados.

– Sexta-feira.

– Meia-noite.

– Rodrigo Santoro.

– Fábio Assunção.

– Leonardo!

– Que Leonardo?

– Do Leandro e Leonardo.

– Jura?

E chamam outros nomes nacionais e internacionais, masculinos e femininos como Madonna, Scarlett Johansson e Woody Allen.

– Sotaque!

– Barba mal feita..

– Costas largas.

– Nariz grande.

– Tatuagem que entra por dentro da roupa.

– Melanina.

É quando começa uma animada discussão em que uma amiga elege, como melhor afrodisíaco do planeta, cheiro de sabonete – também conhecido como “Acabou-de-sair-do-banho”. Inconformada, outra defende que bom mesmo é cheiro de corpo – também conhecido como “Cecê” – e diz que isso, sim, minha nega, dá o maior tesão.

– Uma taça de vinho.

– Três…

– Cerveja gelada.

– Cachaça.

– Champanhe com morango.

– Chantilly.

– Brigadeiro na colher.

– Emagrecer.

E riem, e viram-se nas cangas em dominó, encolhem as barrigas e trocam elogios, sem acreditar no que dizem – só no que ouvem.

– Sexo!

– Concordo: quanto mais se faz, mais se quer fazer.

– Falar sobre sexo!

– Falando nisso… – diz J.

– Vamos embora? – propõe E.

– Eu te amo! – declara C.

Jacaré e Elefante calam-se e voltam-se para Cobra:

– A gente também te ama – dizem em uníssono.

– Não é isso! “Eu te amo”, falar “Eu te amo” me excita. Ouvir, mais ainda.

É quando resmungamos nossa má sorte e levantamos para um mergulho na água gelada do mar da primavera.