Arquivo da tag: estudo

Café diminui chances de câncer de próstata em 60%

Padrão

Um estudo recente realizado por pesquisadores norte-americanos sugere que beber café pode diminuir as chances de desenvolver câncer de próstata. Segundo o estudo, ingerir grandes quantidades da bebida diminuiu em 60% os riscos de surgimento de tumores.

Cerca de 50 mil homens tiveram o consumo de café monitorado a cada quatro anos entre 1986 e 2006. Segundo os pesquisadores, o café influencia em fenômenos associados ao câncer de próstata devido a forma como o organismo quebra as moléculas de glicose e também a quantidade de hormônios sexuais liberados.

Os pesquisadores afirmam que não sabem ao certo quais os componentes que tornam a ingestão de café positiva, porém minerais e antioxidantes presentes na bebida limitam danos nos tecidos causados pela liberação de energia nas células. 

Contudo, os responsáveis pelo estudo ressaltam que o alto consumo de cafeína pode causar outros problemas à saúde, mas quem toma, regularmente uma xícara de café não precisa desistir do hábito. 

Fim da Evolução da Humanidade

Padrão

Um professor da Universidade de Londres afirmou que a humanidade chegou ao fim de sua evolução.

O geneticista Steve Jones, em uma conferência chamada “O Fim da Evolução Humana”, argumentou que, devido aos

avanços da tecnologia e da medicina, já não são apenas os mais fortes que passarão seus genes para a geração

seguinte.

Ele sugeriu que o tipo de homens que encontramos no mundo hoje é o único que haverá – porque os seres humanos

não ficarão mais fortes ou inteligentes ou saudáveis.

“Acho que todos estamos de acordo com o fato de a evolução ter funcionado de forma adequada para o ser

humano no passado”, afirmou o cientista à BBC.

Evolução e passado

“Um dos exemplos está nas razões que permitiram que o homem negro vivesse na África e o branco pudesse viver

na Europa.”

“O homem branco perdeu o pigmento de melanina da pele, absorvendo mais radiação solar e produzindo mais

vitamina D, permitindo que seus filhos crescessem mais saudáveis.”

“Este é apenas um exemplo, há vários outros. Ao compreender como foi a evolução no passado, podemos deduzir

como será no futuro”, afirmou.

Segundo o cientista, para que exista evolução são necessários três fatores: seleção natural, mutação e mudanças

aleatórias.

O cientista acredita que os humanos reduziram de forma inesperada nossas taxas de mutação devido às mudanças

de nossos padrões reprodutivos.

Estes padrões reprodutivos incluem mudanças sociais como os padrões de casais e os mecanismos anticoncepcionais.

As substâncias químicas e a poluição também alteraram a genética humana.

Mas, o fator mais importante que alterou as mutações é a redução do número de homens mais velhos que têm

filhos.

Mutações

Diferente das mulheres que, com o avanço da idade produzem menos óvulos, os homens nunca deixam de produzir

espermatozóides.

Quando o homem chega aos 29 anos, em média a idade de procriação masculina ocidental, ele já copiou e repassou

300 vezes o espermatozóide original que o criou (e que foi passado por seu pai). Em um homem de 50 anos, isto já

ocorreu mil vezes.

Cada vez que o espermatozóide é copiado e repassado, ocorrem divisões celulares, cada uma com possibilidades de

mutação, e talvez de erros.

Desta forma, com menos pais em idade avançada existem menos possibilidades de passar para a geração seguinte

mutações ou defeitos aleatórios.

Sem seleção

“Outro fator (a ser levado em conta) é a diminuição da seleção natural”, afirmou Jones.

“Na antiguidade a metade das crianças que nasciam na Inglaterra morria antes de chegar aos 21 anos e estas

mortes eram a base da seleção natural.”

“Hoje, em grande parte do mundo desenvolvido, 98% destas crianças sobrevivem, chegam aos 21 anos, quase não

existem diferenças entre os que morrem e entre os que sobrevivem antes de se reproduzirem”, acrescentou o

cientista.

Segundo o cientista também foi reduzida a quantidade de mudanças aleatórias na raça humana.

“Atualmente os humanos são 10 mil vezes mais comuns do que deveríamos ser, tendo como base as regras do reino

animal. E isto se deve à agricultura.”

“No mundo todo, todas as populações estão cada vez mais ligadas e as possibilidades de mudanças aleatórias estão

diminuindo”, afirmou Jones.

De acordo com o geneticista, “estamos nos misturando em uma espécie de massa global e o futuro não será branco

e negro, será cor de café”.

“Acredito que vão ocorrer mudanças, mas nossas mudanças não serão físicas, serão mentais”, afirmou Jones.

 Fonte:globo.com

Estudo revela: felicidade é contagiosa

Padrão

A felicidade é contagiosa, anunciaram pesquisadores. A mesma equipe que comprovou que obesidade e tabagismo se difundem em rede, demonstrou que quanto mais pessoas felizes você conhece, maior é a probabilidade de você mesmo ser feliz.

 E ligar-se a pessoas felizes aumenta a felicidade da própria pessoa, segundo a equipe escreveu no British Medical Journal.

 “Trata-se de um arrastão emocional”, disse em entrevista por telefone Nicholas Christakis, professor de sociologia médica da Escola Médica de Harvard, em Boston, na quinta-feira.

 Christakis e James Fowler, cientista político da Universidade da Califórnia, em San Diego, usaram os dados relativos a 4.700 filhos de voluntários do Estudo Cardiológico Framingham, um enorme estudo de saúde iniciado em Framingham, Massachusetts, em 1948.

 Eles vêm analisando um tesouro de informações de folhas de acompanhamento que datam de 1971, rastreando nascimentos, casamentos, divórcios e mortes. Os voluntários também registraram informações de contato de seus amigos mais íntimos, colegas de trabalho e vizinhos.

 Eles avaliaram a felicidade usando um teste simples de quatro perguntas.

 “Perguntamos às pessoas quantas vezes na última semana: 1, elas curtiram a vida, 2, elas se sentiram felizes, 3, elas se sentiram esperançosas em relação ao futuro, e 4, sentiram que valem tanto quanto as outras pessoas”, disse Fowler.

 Sessenta por cento das pessoas que tiveram pontuação alta nas quatro perguntas foram avaliadas como felizes, e as outras foram classificadas como infelizes.

 As pessoas que têm mais vínculos sociais — amigos, cônjuges, vizinhos, parentes — também são as mais felizes, mostraram os dados.

 “Cada pessoa feliz a mais em sua vida torna você mais feliz”, disse Christakis.

 E a felicidade é mais contagiante que a infelicidade, constataram os pesquisadores.

 “Se uma pessoa com que você tem contato social é feliz, isso aumenta em 15 por cento a probabilidade de você ser feliz”, disse Fowler. “Um amigo de um amigo, ou amigo de um cônjuge ou irmão, que sejam felizes, aumentam suas chances em 10 por cento.”

 A equipe também está estudando a difusão da depressão, solidão e alcoolismo.

  

 Fonte:site tudoagora

Você bebe?seu cérebro pode estar encolhendo!

Padrão

Quanto mais você bebe, mais seu cérebro encolhe, disseram cientistas na segunda-feira. Muitos estudos demonstram que o consumo moderado de álcool pode ser bom para o coração. Mas o grupo liderado por Carol Ann Paul, da Faculdade Wellesley, em Massachusetts, comprovou que a bebida não evita a perda do volume cerebral acarretada pela idade.

 Na verdade, os abstêmios convictos tinham a menor perda cerebral. Em seguida, pela ordem, vinham os ex-consumidores, os consumidores moderados e os consumidores abusivos, segundo o artigo publicado na revista Archives of Neurology.

 A tendência era mais notável em mulheres do que em homens, o que pode se dever à maior sensibilidade feminina aos efeitos do álcool e à menor massa corporal.

 “Sabe-se que as pessoas que bebem têm um declínio no volume cerebral. O que eu estava procurando era um efeito protetor nas pessoas que bebem uma a sete doses por semana”, disse Paul por telefone.

 “Minha expectativa era de que seria protetor. E não foi assim”, acrescentou ela, que realizou o estudo quando estava na Escola de Saúde Pública da Universidade de Boston.

 As conclusões foram baseadas em dados de 1.839 norte-americanos de 33 a 88 anos, que fizeram relatos sobre o seu consumo de álcool e tomografias por ressonância magnética. Eles fazem parte de um estudo mais amplo em andamento em Massachusetts.

 Quem bebia mais do que 14 doses por semana tinha o cérebro em média 1 por cento menor do que os abstêmios, segundo os pesquisadores. Em geral, o volume cerebral diminui cerca de 2 por cento por década. A atrofia está vinculada a dificuldades cognitivas e motoras.

 Vários estudos indicam os benefícios cardíacos do consumo moderado de álcool, mas o consumo excessivo pode provocar problemas graves e fatais, especialmente no fígado e cérebro.