Arquivo da tag: natural

Alimentos orgânicos: Confira os benefícios

Padrão

Você está num pequeno dilema em frente à seção de frutas do supermercado. Em uma mão você tem uma maçã comum e na outra uma variedade orgânica da fruta. As duas são fontes ricas em vitaminas e fibras, pobres em gordura, sódio e colesterol.

Mas a maçã orgânica tem uma etiqueta indicando que foi cultivada sem hormônios, antibióticos, herbicidas, inseticidas, fertilizantes químicos, modificação genética ou eliminação de germes por radiação. Ainda assim, na outra mão você tem uma fruta de menor custo, pronta para o consumo.

Produtos orgânicos versus convencionais

O termo orgânico se refere à maneira como produtores cultivam e processam produtos agrícolas, tais como frutas, verduras, cereais, laticínios e carnes. As técnicas de produção orgânica são destinadas a incentivar a conservação do solo e da água e reduzir a poluição. Os agricultores que produzem alimentos convencionais utilizam os métodos comuns para fertilizar, controlar pragas ou prevenir doenças.

Na tabela abaixo, é possível encontrar outras diferenças entre as técnicas utilizadas para a produção de produtos orgânicos e convencionais:

Produtores convencionais Produtores de orgânicos
Utilizam fertilizantes químicos para promover o crescimento das plantas. Utilizam fertilizantes naturais, como o adubo, para enriquecer o solo e promover o crescimento das plantas.
Utilizam inseticidas para reduzir pestes e doenças. Utilizam insetos e pássaros, ou armadilhas, promovendo uma redução na incidência de pestes e doenças.
Utilizam herbicidas químicos para controlar ervas-daninhas. Fazem rodízio de plantações ou utilizam limpeza manual para o controle das ervas-daninhas.
Administram antibióticos, hormônios de crescimento e medicamentos aos animais para evitar doenças e promover o crescimento. Oferecem alimentos orgânicos e acesso a áreas livres para os animais. Empregam medidas preventivas – como pasto rotativo, dieta balanceada e higiene – para ajudar a minimizar a incidência de doenças.

Natural não é o mesmo que orgânico

Os termos natural e orgânico têm sido usados de forma indistinta para descrever alimentos com o mínimo de processamento e que não contém aditivos artificiais ou conservantes. Isso tem mudado com os padrões e certificados para alimentos orgânicos. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, os alimentos podem apresentar rótulos com descrições como “100% natural” ou “sem hormônios”, mas apenas aqueles cultivados e processados segundo padrões estabelecidos podem ser considerados orgânicos.

Orgânicos: comprar ou não comprar?

Vários fatores podem influenciar na decisão sobre comprar ou não alimentos orgânicos, devendo-se considerar os seguintes fatores:

Nutrição
Não há evidências comprovando que os produtos orgânicos são mais nutritivos que os alimentos convencionais. Além disso, o departamento americano não afirma que esses produtos são mais seguros ou mais nutritivos.

Qualidade e aparência
Os alimentos orgânicos têm o mesmo padrão de qualidade e segurança que os convencionais. A diferença está na maneira como eles são produzidos, processados e manuseados. Você também pode encontrar frutas e verduras orgânicas que se estragam mais rapidamente por não receberem conservantes. E não espere uma aparência tão boa em alguns orgânicos – formatos estranhos, variações de cores e talvez tamanhos menores.
No entanto, na maioria dos casos, os alimentos orgânicos são semelhantes aos produtos convencionais. Para ter certeza de que algum produto é orgânico, confira a embalagem e procure o selo de produtos orgânicos.

Pesticidas
Produtores convencionais usam pesticidas para proteger as plantações de fungos, insetos e doenças. Quando os fazendeiros aplicam inseticidas, acabam deixando resíduos na produção. Algumas pessoas preferem alimentos orgânicos para limitar a ingestão desses resíduos.
A maioria dos especialistas concordam que a quantidade de pesticidas encontrados em frutas e verduras representa um risco muito pequeno para a saúde. E grandes estudos indicam que esses resíduos dificilmente são fatores de risco para o câncer na população geral. Além disso, os benefícios para a saúde da ingestão de frutas e verduras, independente do modo de produção empregado, ultrapassam de longe qualquer potencial risco à saúde.

Meio ambiente
Alguns compram alimentos orgânicos por questões ambientais. O cultivo orgânico é projetado para beneficiar o meio ambiente através do combate à poluição e conservação da água e do solo.

Custo
A maioria dos produtos orgânicos são mais caros do que os convencionais. Os altos preços se devem às técnicas de plantio, às rígidas regulamentações do governo e uma menor produtividade. Por não serem utilizados herbicidas ou pesticidas, as técnicas de controle de ervas-daninhas e pestes exigem muito trabalho. Os produtores de orgânicos podem limpar manualmente os vegetais para controlar as ervas-daninhas, por exemplo, e você pode acabar pagando mais por esses produtos.
Afinal, quanto custa a mais um produto orgânico? Mercados e lojas diferentes oferecem preços variados, mas você pode pagar até o dobro por alimentos cultivados organicamente.

Sabor
Algumas pessoas dizem sentir a diferença de sabor entre os orgânicos e os não-orgânicos. Outros dizem não perceber nenhuma diferença. O paladar é subjetivo, portanto cabe a você escolher. Orgânico ou convencional, os produtos mais frescos disponíveis podem proporcionar um sabor mais apreciável.

Dicas de compras

Independente de você já adorar alimentos orgânicos ou apenas querer fazer compras de maneira inteligente e segura, preste atenção às seguintes dicas:

  • Compre frutas e verduras em locais confiáveis, para garantir uma melhor qualidade. Tente fazer as compras no dia em que foram distribuídas para ter certeza de que está comprando alimentos frescos. Pergunte ao vendedor que dia novos produtos estarão chegando.
  • Leia as embalagens cuidadosamente. O fato de um produto ser orgânico ou conter ingredientes orgânicos não significa necessariamente que seja uma alternativa mais saudável. Alguns produtos orgânicos podem conter um alto teor de açúcar, sal, gorduras ou calorias.
  • Lave todas as frutas e verduras sob água corrente abundante. Se necessário, utilize uma pequena escova, particularmente em frutas ingeridas com a casca (como maçãs e batatas).
  • Se você está preocupado com pesticidas, descasque e lave bem as frutas e verduras. Mas lembre-se de que descascá-las pode diminuir a quantidade de nutrientes e fibras. Alguns resíduos de pesticidas também se alojam na gordura, portanto remova a gordura da carne e a pele de aves e peixes.  

 

FONTE: http://www.lincx.com.br

Sucos verdes:uma revolução 3

Padrão

A Revolução dos Sucos Verdes
Sou plenamente a favor do uso da tecnologia a serviço do homem, desde que esta esteja harmonizada com a Natureza. Hoje já temos possibilidades reais de transformar a relação atual de que desenvolvimento tecnológico significa destruição ecológica. Energia magnética, limpa e sem custo, biocombustível, bioconstrução, reciclagem, bioplástico, ecovilas, todos estes mecanismos fazem parte de um possível futuro do desenvolvimento humano neste planeta.
Dentro deste contexto de tecnologias bem utilizadas, a sugestão é começar com algo já disponível e existente em grande parte dos lares: o liquidificador. Este equipamento (ainda) barulhento é, na minha compreensão, subutilizado pela maioria das pessoas. Com este simples aparelho e um pouquinho de conhecimento é possível criar inúmeros pratos utilizando somente ingredientes saudáveis. Pães e bolos naturais, leite e queijos de sementes, molhos deliciosos e o protagonista deste artigo: o suco verde.
O suco verde é algo especial por uma série de motivos. Seu preparo é rápido e fácil, seu custo é baixo e o fato de ser batido dispensa o tempo de mastigar (não que alguém mastigue devidamente hoje em dia) necessário para quebrar a estrutura da planta e deixar os nutrientes acessíveis, facilitando a assimilação dos mesmos. Além disso, tem a virtude de tornar o sabor das verduras acessível para qualquer um, até mesmo crianças “fresquinhas”. O segredo? A combinação de folhas verdes com frutas.
Muitas pessoas intuitivamente ou por conhecimento compreendem que vegetais e frutas não se combinam em termos digestivos. Isto se dá em muitos casos (experimente comer melancia com cenoura e veja como o seu estômago reage), mas recentemente foi observado que frutas e folhas combinam entre si muito bem. Chimpanzés dão prova disto ao comer sanduíches de bananas enroladas em folhas de alface.
Surpreendo-me sempre com as combinações de sabor que surgem experimentando diversas misturas. Manga, banana e salsão. Pêra com folhas de beterraba. Maçã, couve e hortelã. As possibilidades são muitas, mas não quero deixar de expressar minha mais deliciosa preferência: manga e coentro.
É tudo muito simples: um pouco de água no fundo do liquidificador, as frutas, as folhas, bater, servir, beber. Quanto mais fresco melhor. Caso seja possível usar água de coco verde (fresca, não aquelas de caixinha) no lugar da água comum, considere-se um ser afortunado.
As frutas devem estar sempre bem maduras e, sempre que possível, recém colhidas, assim como as folhas. Quanto mais próximas de seu local de cultivo mais vitalidade trazem consigo.
Muito importante, diria até fundamental é a preferência por hortaliças orgânicas, de preferências cultivadas por produtores que cuidem de uma boa remineralização do solo. Hortaliças banhadas com agrotóxicos (agro – tóxicos = venenos da agricultura) e cultivadas com adubos químicos, além de poluir a corrente sanguínea daqueles que delas se alimentam dificilmente trazem dentro de si todos os minerais e elementos promotores de saúde que esperamos estar ingerindo quando comemos vegetais.
A Transformação da Saúde

Com algum tempo de sucos verdes diariamente em sua dieta você pode começar a experienciar alguns pequenos “milagres”. Um exemplo. Das verduras se obtém farto suprimento de magnésio, mineral responsável pelo bom funcionamento do coração, o relaxamento das artérias e de todo o organismo. Quando se ingere uma quantidade satisfatória deste mineral é possível observar uma tendência à tranqüilidade, à ausência de stress, à boa circulação sanguínea. A flexibilidade aumenta em nível físico e em nível mental.
O corpo tem uma inteligência própria. Muitas vezes os desejos por determinado alimentos se relacionam com suas necessidades. Grande parte dos casos de pessoas viciadas em chocolate, por exemplo, relaciona-se à deficiência de magnésio (o cacau é rico em magnésio). O que acontece quando o corpo reconhece os sucos de folhas verdes como fonte pura, superior e sem efeitos colaterais deste mineral? Isso mesmo: aquela vontadezinha quase incontrolável por uma barra de chocolate em determinados momentos pode se transformar num saudável salivar por um maço de salsas. Parece impossível, mas aconteceu comigo, um ex-chocólatra devorador de barras enormes que hoje olha para o chocolate como alguém olha para um pedaço de madeira. Ou melhor dizendo, como um adolescente que olha para o brinquedo que gostava muito quando era criança e percebe que cresceu.
Assim é a inteligência do corpo, este brilhante veículo biológico projetado pela maior de todas as inteligências: a Natureza. Dê ao corpo o combustível ideal e perceba sua disposição em manifestar sua programação original: Saúde.
Percebo hoje que na muitas vezes difícil tarefa de mudança de hábitos alimentares é mais fácil para as pessoas acrescentar do que retirar. Talvez a mais incrível conseqüência da inclusão dos sucos verdes na alimentação diária seja a transformação automática dos hábitos alimentares. Sim, pois ao nutrir, alcalinizar e oxigenar o organismo, os fungos e parasitas vão perdendo seu lugar cativo e seu poder de sugerir ao corpo que se alimente com aquilo que os alimenta: açúcar, alimentos refinados e outras inconveniências. É assim com os “miraculosos” sucos verdes: acrescente-os em sua dieta e observe, sem esforço, os maus hábitos caírem por terra e os bons hábitos chegando naturalmente. Você consegue imaginar o valor desta ferramenta?
Mais fácil do que imaginar é praticar. Comece amanhã mesmo se lhe interessar. Esta é uma proposta de revolução ecológica que começa dentro de cada um. É um movimento suave em busca da evolução de toda a humanidade. Simples, econômico, agradável e praticável. Associe a cor verde com a Saúde e logo perceba os bons frutos desta sabedoria se manifestando em sua vida. E viva!

Fonte:guiavegano

Sucos Verdes: uma Revolução 2

Padrão

Desde tempos antigos a Clorofila é tratada como um “agente miraculoso de cura”. Foi provado que a Clorofila é grande auxiliar no tratamento de câncer1 e arteriosclerose2. Abundante pesquisa científica nos mostra que dificilmente existe alguma doença que não pode ser ajudada através da ingestão de clorofila.
A composição elementar das folhas verdes as coloca entre os alimentos mais alcalinizantes do planeta. Para quem não sabe, o sangue humano é naturalmente alcalino e estar nesta condição significa sentir-se como um peixe dentro da água. Um agradável conforto se instala, a respiração se torna longa e contínua, os pensamentos se acalmam, as emoções se suavizam. Quando a corrente sanguínea está alcalinizada é muito difícil de fungos, parasitas, bactérias patogênicas e tumores se desenvolverem. Isto significa que a imunologia e a alcalinidade sanguínea estão intimamente ligadas. Algo a se considerar nos dias de hoje onde as pessoas acidifcam seu sangue a cada refeição açucarada e mal combinada, a cada noite mal dormida, a cada discussão, a cada má notícia recebida.
São diversas as suas ações do reestabelecimento da saúde promovido pela Clorofila. Além da nutrição excelente, esta molécula carrega consigo quantidades significativas de oxigênio. O oxigênio nutre as bactérias benéficas dos intestinos e é letal para fungos, bactérias, tumores e células cancerosas. Este fato por si ressalta a importância das verduras para a construção, manutenção e regeneração da boa saúde.
Como se não fosse suficiente, é possível ainda citar diversos outros benefícios das muitas qualidades desta substância extraordinária: melhoramento da qualidade e da contagem de células sanguíneas, ajuda na prevenção do câncer, prevenção e tratamento da anemia, remove toxinas da corrente sanguínea, ajuda a purificar o fígado, regula a menstruação, melhora a qualidade do leite materno, acelera a cicatrização (pode ser aplicada topicamente também), elimina odores corporais (chulé, etc.) limpa os dentes e a estrutura da gengiva, elimina mau hálito, alivia problemas de garganta, ajuda a tratar inflamações e a remover muco e catarro, torna a visão mais nítida, alivia hemorróidas, alivia dores e fortalece todo o sistema imunológico.
Parece propaganda de algum produto milagroso, é na verdade é. A diferença é que não estou tentando vender nada, mas simplesmente disponibilizar o conhecimento do tesouro que temos espalhado em nosso planeta, crescendo incessantemente por toda parte e em diversas formas, tão acessível e tão necessário para esta civilização que sofre por pura falta de saber.
Muito interessante, mas o que fazer se não gosto de verduras?
Tudo bem, verduras decerto não são, à primeira vista, as mais atraentes opções disponíveis ao paladar. Tem gente que detesta, tem gente que gosta, mas uma coisa é fato: quase ninguém ingere uma quantidade significativa destes vegetais.
A dieta moderna, repleta de estimulantes de paladar como açúcar, frituras salgadas e molhos temperados torna difícil a tarefa de apreciar sabores suaves e diferentes, como o levemente amargo dos vegetais. Quantas pessoas trocariam uma pizza por um prato cheio de rúcula? Assim sendo, temos uma dificuldade natural para comer uma quantidade significativa de folhas verdes.
Mesmo aquelas pessoas que afirmam comer “bastante salada” possivelmente se enquadram no perfil de pessoas que poderiam se beneficiar de uma ingestão maior de verdes. Afinal, muitas vezes o termo “bastante salada” se refere a um prato com duas folhas de alface, quatro de rúcula, cenoura ralada e duas fatias de tomate. Como se pode observar, quase nada de folhas verdes. Estima-se através de análises do FDA americano que uma quantidade diária significativa de folhas verdes por pessoa seria algo como um molho de salsinha, ou seis folhas de couve.
Foi constatado através de várias pesquisas que o homem tradicionalmente come pouca quantidade de verdes em sua dieta. Talvez pelo sabor pouco atraente. Pior: a maioria das pessoas não mastiga suficientemente as verduras para que todos os nutrientes sejam liberados para uso do organismo.
Neste ponto é perceptível a necessidade de uma alternativa viável para se usufruir dos inúmeros benefícios destes notáveis alimentos de uma maneira condizente com a necessidade atual das pessoas: rapidez, praticidade, economia e sabor agradável.

Fonte:Guiavegano

Sucos Verdes: uma Revolução

Padrão

Verduras, ou folhas verdes comestíveis, são alimentos maravilhosos. Farta e segura fonte de minerais como cálcio, magnésio, fósforo, potássio, vitaminas diversas, aminoácidos, enzimas e muita vitalidade, a ingestão de folhas verdes traz consigo uma série de benefícios.
Coletoras naturais da luz solar, as folhas verdes quando ingeridas liberam na corrente sanguínea uma substância que denominamos Clorofila, esta magnífica molécula verde que é o sangue do reino vegetal. É algo fascinante perceber a semelhança da molécula da clorofila com a molécula da hemoglobina. Apenas uma ligação química as diferencia.
Os verdes podem ser vistos como luz do sol comestível, já que é na Clorofila que colore suas folhas a responsável por capturar e processar a energia que é irradiada do astro-rei. Clorofila é luz líquida! Consumir Clorofila regularmente é como banhar os órgãos internos em luz solar, vivificando e renovando todo o sistema. É como abrir as janelas da casa num dia ensolarado. Não torna o ambiente mais agradável?
Clorofila é a fonte primária de alimentação dos animais herbívoros. Observe os cavalos, as vacas e os elefantes que não comem carne, não bebem leite (depois da infância), não comem ovos, não comem soja (naturalmente) nem feijões de qualquer tipo e no entanto apresentam notável corpulência e massa muscular. Comem, e muito, capim. E o que existe no capim? Minerais, aminoácidos e… Clorofila!
Se não como carne, nem soja, nem leite, nem ovos, onde posso conseguir as proteínas que meu corpo necessita?
as proteínas são compostas por diversos aminoácidos, assim como um jardim é composto de diversas flores. Os aminoácidos são, assim, os precursores das proteínas.
É surpreendente o quanto pouco se conhece o fato de que os verdes figuram entre as melhores e mais completas fontes de aminoácidos biodisponíveis. Isto significa que o consumo de uma quantidade e variedade apropriada de verduras fornece os tijolinhos necessários para a síntese de qualquer proteína que o corpo necessite, sem que para isto seja preciso intoxicar a corrente sanguínea com substâncias impróprias como os antinutrientes da soja, os antibióticos e hormônios artificiais e naturais presentes na carne e no leite e outras muitas substâncias que causam ao organismo dificuldades desnecessárias.
Fornecer ao corpo os aminoácidos ao invés de proteínas completas (presentes na carne, no leite, nos ovos, etc.) é como construir a partir de tijolos ao invés de ter que primeiro demolir uma casa para depois utilizar seus tijolos na construção. Simplificamos o trabalho do organismo, evitamos a geração de subprodutos desnecessários e economizamos energia que seria gasta com a digestão. E para onde vai esta energia economizada? Para a faculdade de pensar, para a sensibilidade dos sentidos, para o processo de desintoxicação do organismo…
A Clorofila como um agente de desintoxicação do corpo humano.

Fonte:Guiavegano