Arquivo da tag: preliminares

As fases do sexo

Padrão

Lembra-se de como você era dez anos atrás? Além do corte de cabelo, seus interesses eram diferentes, seu corpo era possivelmente mais rígido e sua cabeça certamente não era a mesma de hoje. Depois de dez anos, é claro que a cama também mudou – e não estamos falando do colchão, mas do seu desejo, do seu desempenho e do seu gozo. Algumas coisas continuam iguais – como aquela pinta no ombro direito ou a vontade de ganhar uma lingerie vermelha de presente de aniversário – mas outras acabam mudando quando se tem 20, 30 ou 40 anos de idade. Como vai ser o sexo daqui a dez anos? Aos 20 anos, quanta animação! As mulheres jovens fazem preliminares de duas horas, transam pelas escadas do prédio e, depois, contam tudo para as amigas. É assim com Adriana*, de 22 anos, que tem um namorado há quatro meses, com quem jura que vai ficar pelo resto da vida. “Ele é o segundo cara com quem transei. É bonito, carinhoso e nos damos muito bem”, diz, comedida – os detalhes ela deixa para as amigas mais íntimas. “Eu e meu namorado fazemos coisas que antes eu achava que só as prostitutas faziam. Mas ele me mostrou que é natural. E muito gostoso”, conta a estudante.

É um aprendizado que vem com a idade. À medida que os anos passam, a qualidade do sexo aumenta, mas a quantidade pode diminuir A sexóloga Glene Faria explica que aos 20 anos tudo é uma grande novidade. “A mulher ainda está aprendendo e pode ter dificuldade de atingir o orgasmo”, afirma, lembrando que a experiência vem com o tempo e o sexo vai ficando cada vez melhor.

A balzaquiana tem mais estrada. Não quer transar apenas com o homem que julga ser sua “cara-metade”, topa sexo casual e diz saber aproveitar bem os momentos debaixo dos lençóis. Júlia*, 30 anos, está solteira, tem um vibrador e afirma gostar muito de sexo. “Estou mais segura atualmente e não fico pensando se estou bonita, ou se ele está vendo minhas celulites, como quando eu era uma garotinha”, diz. Sua irmã de 33 anos, Tatiana, vê os dois lados da idade: “Estou casada há alguns anos e acho que transo menos hoje do que aos 20. Em compensação, considero minhas transas mais intensas e, em breve, pretendo ter um bebê”, revela.

Glene Faria afirma que é comum haver uma diminuição do desejo aos 30 anos. “É comum que a mulher comece a se lubrificar no meio da relação, uma vez que o homem pára de investir nas preliminares”, explica a sexóloga, sublinhando que o casal não pode parar de priorizar a sexualidade. “Depois de três anos de relacionamento, vem a primeira crise, pois termina a paixão e vem a rotina”, alerta.

Aos 40

Quando a mulher entra nos enta, conhece a chamada “idade da loba”. Significa que ela não cai matando como a de 20, nem está mais pensando em mamadeiras, como a de 30. “Estou no ápice da minha vida sexual”, garante a fisioterapeuta Laura*, de 41 anos. “Eu e meu marido temos muita intimidade sexual e mantivemos o romantismo ao longo de todos esses anos. Por exemplo: às sextas, sempre saímos pra jantar, só nós dois”, conta, insinuando que a noite é sempre longa…

Para Glene, a mulher de 40 anos está mais madura sexualmente. “Ela é experiente, conhece o próprio corpo e está apta a ter uma vida sexual muito boa”, afirma a sexóloga. De acordo com ela, a mulher também torna-se mais exigente aos 40. “Ela sabe dar prazer ao parceiro e também quer qualidade em troca”, observa. Mas, é claro, nem tudo são flores… A partir desta idade, os problemas físicos e as dificuldades na cama tendem a aumentar – e não estamos falando apenas daquelas posições diferentes, que exigem um bom condicionamento do corpo. “Entre 45 e 50 anos, a mulher pode entrar na menopausa e observar diminuição do desejo e da lubrificação”, adverte a sexóloga. A sugestão é que o gel lubrificante vire parte integrante do ato sexual.

Glene lembra, ainda, que cada relação é uma relação e que boa parte da qualidade sexual está nas mãos dos homens: “Se ele é dedicado e se mostra preocupado em estimular sua parceira, não há mulher que não funcione”, afirma, ressaltando que o sexo tende a melhorar com o passar dos anos. “É um aprendizado que vem com a idade. À medida que os anos passam, a qualidade do sexo aumenta, mas a quantidade pode diminuir”, resume.

Fonte:bolsademulher

Que delícia de carícia…

Padrão

 

Carícias preliminares, beijo na boca, no pescoço e na orelha. Mãos que passeiam pela nuca, pelos ombros, pelas pernas, ui! Que delícia sentir o toque da pessoa desejada. Que delícia namorar, namorar e namorar antes de qualquer coisa.

Beijar na boca tem um sentido de tudo. Reparem só como é impossível viver um amor sem beijar na boca. Sem beijar na boca quer dizer claramente que está tudo errado. Fazer amor sem beijar na boca tem graça?

Carícias! Como são importantes as carícias que envolvem o casal e o momento em que estão querendo se amar. Está certo que cada hora é de um jeito e todo jeito é bom pra quem está a fim de ficar junto. Mas aquela vez que envolve carícias, muitas carícias, deixa lembranças maravilhosas, não é mesmo?

E não tem essa de que é só a mulher que gosta e que precisa. Muitos homens fazem questão absoluta de muita preparação. Tenho ouvido casos bem parecidos aos das mulheres, contados por elas mesmas sobre os seus parceiros. Tem tudo a ver. Muitos homens já não estão mais conseguindo partir para o ataque a sangue frio. O estresse, o cansaço do dia a dia, a cabeça cheia de problemas. É que eles também estão precisando de carinho, de envolvimento, de massagem, enfim, de bons motivos para revelar a fera que existe em cada um.

As mulheres, nem se fala. São cristais que, apesar de hoje em dia estarem mais ousadas e seguras do que querem, não dispensam um bom clima de romance para começar o que querem. Ah, importantíssimo, também não dispensam os arremates finais. Ficar deitadinha no ombro dele, ganhando beijinhos, dizendo coisinhas melosas, hum… É o sonho de muita mulher.

Ao contrário do que muita gente pensa (ainda tem muita gente que pensa), sexo oral não tem nada de nojento e repugnante e é o grande campeão das preliminares. Como é que alguém pode abrir mão de um prazer desses. É de deixar qualquer um de pernas bambas e totalmente entregue ao deleite. Sexo oral feito com amor, então, é de criar poesia para declamar um dia. É tão poderoso que por si só basta. Se quiser, é o início, o meio e o fim e, às vezes, é muito melhor que todo o resto.

Nada contra as rapidinhas, mas com carícias, com carícias se vai mais longe, com carícias se suspira se arrepia e se contorce. Que delícia o casal que cresce junto e que consegue manter isso indo muito além da obrigação conjugal a cada vez que se encontram na cama. Muitos casais conseguem isso e isso é simplesmente encantador, apaixonados depois de tantos anos.

Muitos infelizmente se entregam ao desgaste e aos conceitos plantados pela sociedade de que o casamento de alguns anos não pode oferecer paixão, prazer e alegria. Que bobagem, perderam tanto tempo cuidando de coisas tão menos importantes e se esqueceram de cultivar o principal, o carinho entre eles. Aí realmente, em casa não tem graça mesmo. Gente, as pessoas na grande maioria se casam apaixonadas. Onde é que isso foi esquecido? Por que valores aqueles foram trocados?

As zonas erógenas como pescoço, orelhas, seios, virilhas, pernas, nádegas e costas, quando acariciadas levam a um estado orgástico capaz de inundar de prazer qualquer relação.

Mãos a obra! Usem e abusem das carícias e estendam seu prazer ao limite das estrelas.

Fonte:acessa.com