Arquivo da tag: tesão

Orgasmo inusitado: sonho, beijo e até o toque nos seios podem levar a ele

Padrão

Nem só de penetração vive o orgasmo. E tem explicação científica para isso. “Tudo que é mucosa tem terminação nervosa: na vagina, no ânus, na glande do pênis e na boca. E todo lugar com terminação nervosa tem potencial para ser estimulado a ponto de provocar o orgasmo”, fala o ginecologista e terapeuta sexual Dr. Amaury Mendes Júnior “O clitóris centraliza mais, porque é o único órgão do corpo humano completamente voltado para o prazer”, complementa.

Não é à toa que, no início da vida sexual, ainda sem provar do ato propriamente dito, uma adolescente pode alcançar o prazer máximo apenas com o beijo. É o que acontece quando o clima começa a esquentar e os corpos são friccionados, um no outro.“A propósito, a boca tem o mesmo número de terminações nervosas encontradas na vagina”, acrescenta o especialista.

Para a mulher, a coisa é menos complicada ainda, nesse sentido. “A mulher tem uma capacidade muito maior de se envolver com a fantasia, com as sensações. O homem centraliza todo o prazer no uso do pênis”, analisa. Abaixo, quatro maneiras inusitadas de alcançar o orgasmo:

  • 1
    Pelo toque nos seios
    Segundo pesquisa divulgada pelo Journal of Sexual Medicine, a estimulação do mamilo ativa uma área do cérebro conhecida como o córtex sensorial genital. Esta é a mesma região do cérebro ativada pela estimulação do clitóris. O que significa que o cérebro das mulheres entende a estimulação do mamilo e dos genitais da mesma forma. Isso pode ser suficiente para levar ao orgasmo.
  • 2
    Enquanto dorme
    Não temos controle sobre os nossos sonhos, mas nossos sonhos podem ter controle sobre nosso corpo. Um sonho erótico é capaz de mexer com o subconsciente a ponto de ultrapassá-lo e alcançar o consciente. Com isso, o que era sonho, vira realidade – na medida do possível. Você não conseguirá transportar um parceiro para a sua cama, por exemplo. Mas não é incomum acordar ‘molhada’. E, acredite, é possível chegar além, sem querer, querendo. “O inconsciente não tem freio. Uma fantasia que não se consegue realizar acordada, pode acontecer no sonho. Sem perceber, quem dorme se mexe, como manda a imaginação, estimulando as regiões erógenas. E a consequência desse toque pode ser o orgasmo”, explica o Dr. Amaury Mendes.
  • 3
    Com o beijo na boca
    Tudo que é mucosa tem terminação nervosa. E toda terminação nervosa tem potencial para estimular a ponto de levar ao orgasmo, explica o terapeuta sexual. “A propósito, a boca tem o mesmo número de terminações nervosas que tem a vagina”, continua. De posse dessa informação, não é difícil chegar à conclusão de que um beijo na boca pode levar ao orgasmo. “Se o gosto da saliva agrada, é mais estimulante ainda”, conclui o especialista.
  • 4
    Falar ao pé do ouvido
    “A voz é um condutor muito interessante. É sugestivo. Se você já teve prazer com aquela pessoa, sabe quem aquela pessoa é, facilita ainda mais o jogo”, explica o ginecologista e terapeuta sexual. Segundo o Dr. Amaury Mendes, como o ouvido está muito próximo do cérebro, facilita o estímulo da imaginação. “Mas como não é uma região de mucosa, o ideal é dar um empurrãozinho estimulando em uma das áreas com terminações nervosas”, sugere.

     

Transe mais (e melhor)!

Padrão

 

Estratégias para multiplicar o sexo em sua vida e ainda levar A intimidade da cama para fora dos lençóis.

A americana Charla Muller decidiu dar uma lembrancinha de aniversário no mínimo criativa para seu marido, quando ele chegou à casa dos 40: um ano de relações sexuais diárias. “A idéia cumpria todos os requisitos de um bom presente. É inesperado, memorável e perfeito para quem o recebe”, considera ela no livro sobre a experiência, 365 Nights: A Memoir of Intimacy (365 Noites: Um Relato sobre Intimidade), ainda indisponível no Brasil.

Bem próximos

Casada havia oito anos, com dois filhos, Charla conta que, com o tempo, o sexo havia caído na rotina. “A proposta não surgiu para batermos algum recorde, mas como tentativa sincera de conexão diária”, lembra. Ele, claro, topou a brincadeira. Um ano depois, a americana garante que a experiência aumentou muito o nível de intimidade do casal, tanto dentro quanto fora
da cama. Cláudia Faria, psicóloga especializada em sexualidade humana, de Campinas (SP), confirma o resultado dessa estratégia. “Casais que transam menos costumam estar mais afastados, inclusive emocionalmente”, destaca a especialista. Convencida da necessidade de transar mais? Então descubra como!

Fale menos e faça mais

EXERCITE SEU DESEJO
Sim, esta matéria é sobre como transar mais, porém, não dependa do seu parceiro para ter momentos extraordinários de prazer. Afinal, para ter relações freqüentes e com qualidade, sua sexualidade deve estar aflorada, exercitada — isso inclui investir em masturbação e fantasias. Assim, mesmo que tocar-se não seja sua praia, abuse de devaneios eróticos duas, três vezes ao dia!

NÃO EXIJA, SEDUZA
Discutir a relação vale muito quando se trata de resolver temas delicados, possíveis motivos de separação. Contudo, se a queixa for sobre a falta de desejo dele, a melhor atitude para reverter o quadro é conquistá-lo. “Cobrar e ressaltar que ele ‘não está dando conta’ o afastará ainda mais. Se ela o seduzir, o parceiro dificilmente resistirá”, ensina a psicóloga.

DEIXE SUAS INTENÇÕES CLARAS
Poucas coisas são mais excitantes para o homem do que perceber o quanto sua parceira o deseja, notar todo o interesse dela por sexo. Por que só eles podem ficar com tesão e tomar a iniciativa? Abrace, beije, fale do seu apetite. E mantenha tal atitude durante a transa! O moço a procurará sem parar, acredite!

VALE ABRAÇO, APALPADA…
Os americanos Cynthia W. Gentry e Nima Badiey, no livro O Que os Homens Realmente Querem na Cama (Ed. Gente — R$ 29,90), listam jeitos de fazê-lo entender o recado:

· Um abraço apertado e um beijo de língua — bem dado!
· Roçar seu corpo no do companheiro.
· Acariciar o interior da coxa do gato olhando bem nos olhos dele.
· Sentar-se no colo dele e espalhar beijos pelo rosto do parceiro.
· Apertar — sem dó — o traseiro do amado e dizer “como você está gostoso…”, de uma maneira feminina e bem sexy.

 

 Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

Mapa do prazer feminino

Padrão

Um guia completo dos pontos mais sensíveis do seu corpo. Envie para seu querido ler e depois levá-la à loucura!

 

Lóbulo da orelha

Além de excitar a amada com palavras ditas ao pé do ouvido, como “seu bumbum me deixa louco” ou “não resisto à sua cintura fininha”, experimente mordiscar os lóbulos usando os dentes ou apenas os lábios – vale até dar leves puxões, pois eles ficam ainda mais sensíveis quando a mulher é estimulada sexualmente.

Couro cabeludo

Suba por trás com a ponta dos dedos, jamais as unhas, em direção às orelhas, formando um V. Repita algumas vezes, ora fazendo pressão leve, ora forte. Se quiser, siga o mesmo roteiro usando o queixo. Vai estimular terminações nervosas que são distribuídas por todo o corpo, incluindo o clitóris.

 

Nuca

Afaste o cabelo dela dando beijos leves na base da nuca e vá subindo em direção à orelha. A penugem fina que a encobre contribui para aumentar a sensibilidade. Portanto, até mesmo respirar sobre o local ou correr a ponta dos dedos suavemente vai deixá-la arrepiada e cheia de tesão.

Pálpebras

Ricas em terminações nervosas e ultra-sensíveis ao toque, são incontestáveis fontes de prazer. Deslize a língua sobre elas, distribua beijinhos, toque os cílios com seus lábios. Daí, suba para logo acima das sobrancelhas, massageando com os polegares, fazendo movimentos circulares – e sua garota vai esfriar a cabeça das preocupações para depois ferver de tanto tesão.

 

Lábio superior

Verdade que beijar na boca é o ponto de partida para deixar sua gata louca de desejo. Mas, se quiser sair do tradicional, mescle lambidas no lábio superior com mordidelas no centro dessa mesma região repleta de nervos e, portanto, extremamente sensível. Use a ponta da língua para provocar mais arrepios com leves e rápidas lambidas nos cantos da boca. Aliás, fique de olho nela. Levemente aberta, com a mandíbula relaxada, é sinal claro de excitação.

Centro das axilas

Como a pele dessa região é fina e cheia de nervos, a sensibilidade a estímulos eróticos fica maior. Ainda resta dúvida de que ela não deve ser desprezada? Para surpreender sua namorada, dê lambidas no centro da axila, de cima para baixo ou o contrário. Quer incrementar a brincadeira? Espalhe antes óleo corporal comestível.

 

Parte interna do pulso

Como esse local é mais sensível a variações de temperatura, experimente excitá-lo alternando lambidas com assopros. Outra idéia é chupar, antes de cada lambida, ora bala de canela, ora cubo de gelo, para aumentar ainda mais o excitante contraste quente-e-frio.

Ao redor dos mamilos

Toque levemente com os lábios, a língua e as mãos – experimente também apertar cuidadosamente a região, pois a pele dos seios é repleta de terminações nervosas e, por isso, muito mais sensível a estímulos eróticos. Quanto mais tempo brincar ao redor, maior será a sensação de prazer que sua amada desfrutará, quando você finalmente explorar os mamilos.

 

Umbigo

Massageie-o com movimentos de cima para baixo, se quiser aumentar a circulação nos genitais e, conseqüentemente, a excitação. Para uma performance digna de aplausos, finalize lambendo toda a pele que circunda o umbigo. Outro truque infalível: pressione com a palma da mão a região três dedos abaixo do umbigo ao mesmo tempo em que suga o clitóris. Dessa forma, a parte interna do órgão também é estimulada.

Grandes Lábios

São tããão sensíveis a carinhos com a língua! Quando finalmente tocar o botão mágico no centro deles, sua namorada não demorará a alcançar o Nirvana. Aliás, continue a atiçá-los roçando-os com a famosa série das nove: inicia com nove penetrações rasas seguidas de uma profunda. Depois, você vai subtraindo uma rasa e adicionando outra profunda… Quanto maior for o número de séries, mais trepidante será o orgasmo final.

 

Lombar

É onde a maioria das terminações nervosas das costas termina. Já pensou o prazer que ela sentirá se você deslizar aqui um minivibrador? Aumente, aos poucos, a pressão. Usar óleo de massagem para fazer movimentos circulares é outra boa pedida, pois prepara o restante do corpo para receber carícias ainda mais deliciosas. E não dispense o ossinho do cóccix: com os dedos besuntados de óleo ou lubrificante, faça círculos em torno dele, aumentando aos poucos o espaço até alcançar o bumbum.

Ponto G

O dito-cujo não é fácil de ser encontrado, mas não desista. Introduza um dedo na parte anterior da vagina e movimente-o como se estivesse chamando alguém. Sua garota não hesitará em pedir bis, se você realmente o achar. Uma ousadia a mais é pressionar a área com dois dedos (indicador e médio), enquanto suga o clitóris vagarosamente. Resultado: as sensações são ampliadas, e você agrada ainda mais.

 

Parte interna da coxa

Antes de focar o clitóris ou cair de boca lá embaixo, provoque-a acariciando a perna pelo lado de dentro, partindo do joelho em direção à virilha. Quando estiver próximo a vagina, apenas inspire sobre a região. Vai ver como ela se contorcerá de prazer.

Períneo

Mesmo tendo a fama de ser super-sensível e levando qualquer mortal às nuvens, muitas vezes esta zona erógena entre o final da vagina e o ânus é relegada ao esquecimento. Deixe as encanações de lado e peça a amada para deitar de bruços – avisando que não é sexo anal o que você está querendo! Daí, lambuze seu menino com lubrificante e deslize-o com movimentos de vaivém enquanto pressiona uma nádega contra a outra.

 

Atrás do joelho

O “Ai! Ui! Oh!” é garantido. Comece escorregando os dedos pela panturrilha e parte posterior da coxa, até chegar a esse local pouco explorado. Então, use três dedos para roçá-lo de leve. Mas, antes, certifique-se de que ela já está excitada – ou poderá sentir cócegas.

Linha onde o bumbum e a coxa se encontram

O derrière tem mais terminações nervosas do que você imagina, por isso é tão sensível a toques, tapinhas, lambidas, mordidelas. Só para variar, dê atenção à linha onde ele encontra com a coxa demarcando a linha com a língua, um acessório (como pena ou cubo de gelo), os dentes ou mesmo seu dedo lambuzado de óleo para massagem.

 

Planta do pé

Para fazê-la relaxar e entrar no clima, massageie toda a planta, especialmente a parte gordinha abaixo dos dedos (o plexo solar) como se amassasse pão, com força moderada para não provocar cócegas. Se tiver um óleo de massagem à mão, melhor ainda. Topa ousar mais? Inspire-se nos praticantes do tantrismo, que acreditam que o dedão é uma zona erógena e que sugá-lo leva algumas mulheres ao orgasmo.

 

 Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

Tenha orgasmos sempre!

Padrão

O caminho do prazer

Se, para você, atingir o clímax é simplesmente uma questão de entrega, ânimo (seu e do parceiro) ou mera sorte, comece a comemorar: a revista americana Glamour acaba de publicar uma reportagem sobre a posição que, garante, fará você alcançar o orgasmo em absolutamente todas as suas transas! Testada e aprovada, ela pode ser colocada em prática sem mistério (ou seja, nada de malabarismos!) e funciona independentemente de idade, tipo físico ou experiência. E, para garantir que sua satisfação seja mesmo completa – e por que não? – diversificada, Viva! ainda lista outras quatro posições deliciosamente poderosas. Transforme de vez o orgasmo em rotina na sua vida sexual!

1. Deleite garantido

Deitada de bruços, coloque um travesseiro sob os quadris e outro sob a cabeça. Assim, a barriga ficará encostada na cama; e a cabeça e o bumbum, mais levantados. Importante que, durante os movimentos, nenhum dos apoios mude de lugar. Ou seja, eles devem acompanhar a dança. É o contato constante do travesseiro com a pélvis que garantirá o sucesso da posição – traduzindo: orgasmo! Ah, sim, o moço deve ficar por cima de você.

>> Grau de dificuldade: Fácil

2. Estímulo duplo

De costas para o companheiro, deite-se sobre ele, deixando seu corpo paralelo ao do gato. Ambos devem ficar com as pernas juntas e esticadas. Se for preciso, ele pode flexionar os joelhos e você, abrir as pernas levemente. O melhor dessa posição é que, ao mesmo tempo em que a penetra, o parceiro pode estimular seu clitórios ou seus seios com as mãos. Ou seja, você terá prazer em dose dupla!

>> Grau de dificuldade: Fácil

3. Porta do paraíso

Vocês nunca mais encararão a porta do quarto (ou de qualquer outro cômodo) da mesma maneira. Apóie as costas em um dos batentes. O parceiro deve fazer o mesmo no lado oposto. Com as pernas dele apoiadas no batente onde você está encostada, encaixe-se no parceiro, ajustando a altura das suas pernas e costas. Quanto mais estreito o espaço entre um batente e outro, melhor!

>> Grau de dificuldade: Difícil

4. T de tesão

Deitada de costas, erga as pernas em direção à cabeça, mas mantenha-as juntas ao corpo (você poderá segurá-las com as mãos para facilitar o processo). O moço vem por cima, de lado, de modo que seus corpos formem a letra T. Assim, o pênis entra inclinado, provocando sensações totalmente diferentes.

>> Grau de dificuldade: Médio

5. Prazer à mesa

O rapaz está sentado em uma cadeira, com os quadris na beira do móvel e as pernas esticadas. Você, então, senta no colo dele, com as costas viradas para o bonitão. Incline-se para frente e apóie os cotovelos sobre uma mesa. O ideal é que o objeto esteja distante da cadeira, mas, se ficar complicado, vale aproximá-los.

>> Grau de dificuldade: Médio

 

 Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

Cobrança sexual: Outras causas

Padrão

O sexólogo Celso Marzano, diretor do Centro de Orientação e Desenvolvimento da Sexualidade (CEDES) e do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática (ISEXP-SP), cita, além da rotina no relacionamento, os problemas cotidianos como inimigos do prazer. “O dia-a-dia conspira contra o sexo, pois conciliar a família, os amigos, o trabalho e os nossos interesses pessoais é muito difícil. Adicionamos ainda a todo esse estresse a situação financeira instável, outras questões que afetam nosso controle emocional e o envelhecimento inevitável do nosso corpo. Por tudo isso, em algum momento acabamos apresentando algum tipo de disfunção sexual, de maior ou menor grau”, define.

Algumas pessoas vêem a vontade de fazer sexo diminuída por motivos que afetam o interesse físico no parceiro, o equilíbrio psicológico ou doenças que as debilitam. A falta de higiene pessoal, a obesidade, o alcoolismo, a estafa física, a depressão, a baixa auto-estima, possíveis incômodos e o uso de medicamentos, como alguns calmantes, antidepressivos e anti-hipertensivos, podem prejudicar a libido. As próprias alterações hormonais, principalmente aquelas ocorridas na menopausa, ou mesmo na tensão pré-menstrual, às vezes dificultam a resposta sexual. “Também há pessoas que são condicionadas a só se sentirem atraídas por corpos jovens e perdem o interesse quando o cônjuge envelhece, da mesma forma que alguns homens deixam de sentir desejo por mulheres que se tornaram mães de seus filhos”, comenta Ana Maria Zampieri, que acrescenta que os cuidados com o corpo, sem exageros, e a auto-estima são fundamentais para resgatar o prazer no sexo.

Elas hoje querem parceiros mais receptivos, que não utilizem seu poder para fazê-las submissas, e reclamam que o homem brasileiro ainda é muito ‘machão’. Mas elas próprias, ao serem mães, favorecem a formação de homens machistas

A falta de orgasmo durante a relação sexual e, também, a obsessão em atingi-lo são outros fatores que desestimulam as mulheres. Segundo o ginecologista Eliano Pellini, isso pode causar mal-estar e dores na região pélvica. “A congestão de sangue nos órgãos sexuais femininos fica retida quando a mulher passa muito tempo sem alcançar o orgasmo, o que geralmente leva ao que chamamos de dor pélvica crônica”, esclarece o médico. Outro problema surge quando a mulher não é estimulada corretamente e não se excita a ponto de ficar lubrificada. Sem esta preparação preliminar, que deve ser provocada pelo homem, o ato sexual torna-se doloroso e pode causar vaginismo (contração muscular involuntária que impede a penetração), fissuras, infecções e corrimentos que somente irão piorar e prolongar o desconforto nas próximas relações – um ciclo que elimina o prazer sexual. É bom lembrar que quantidade não traduz qualidade.

A “obrigação sexual” é ainda mais intensa quando o parceiro que exige sexo mesmo que o cônjuge não esteja com vontade. “Para resolver este impasse, o primeiro passo é o diálogo, pois esta postura exigente só leva a maiores desgastes e afastamentos”, alerta o sexólogo Celso Marzano. Eliano Pellini e Ana Maria Zampieri afirmam que muitas mulheres não têm prazer porque seus maridos e elas mesmas não receberam educação para o prazer. “Deve-se saber dizer não quando não se quer, e, claro, explicar o porquê. Não faz sentido se submeter a verdadeiros estupros na cama conjugal. Isso é violência legitimada pela cultura machista”, adverte a psicóloga. Para o ginecologista, muitas disfunções sexuais como esta seriam sanadas se houvesse uma reforma global na educação das crianças, por exemplo. “Elas hoje querem parceiros mais receptivos, que não utilizem seu poder para fazê-las submissas, e reclamam que o homem brasileiro ainda é muito ‘machão’. Mas elas próprias, ao serem mães, favorecem a formação de homens machistas e meninas que crescem achando que devem servi-los”, atesta Eliano Pellini.

Fonte:bolsademulher

Cobrança Sexual

Padrão

Às vezes, o sexo deixa de ser fonte de prazer e vira uma obrigação.

Sexo é bom e todo mundo gosta. Ou melhor: quase todo mundo. Ainda que proporcione prazer, estímulo, intimidade, vínculo afetivo, relaxamento e bem-estar, tem muita gente que não consegue sentir nenhum desses benefícios no ato sexual – mas o faz, por diversos motivos alheios a sua vontade, sem desejo algum. E praticá-lo por obrigação inevitavelmente leva à frustração. “Não gosto de sexo. Faço porque meu marido me procura. É claro que gostaria de reverter essa situação. Entendo que ter desejo é algo normal, mas não sei como mudar isso”, confessa Elisa*, de 37 anos. Como ela, existem várias outras que pensam e sofrem o mesmo.

Sexo quente, morno ou frio? Faça o teste e descubra como anda o tesão no seu relacionamento

Foram inúmeras as conquistas femininas nas últimas décadas e, entre elas, há as sexuais. Antes do movimento de liberação sexual do século passado, as mulheres, com exceção das prostitutas, eram vistas quase como “seres assexuados”, que só deveriam fazer sexo para procriarem. O prazer era restrito aos homens. Herdeiras das gerações anteriores, hoje ainda há muitas que mantêm as idéias de que sexo é algo sujo, que masturbação é pecado, que somente o homem deve alcançar o prazer, que o marido tem o direito de transar com a mulher toda vez que sentir vontade, independentemente do fato de ela estar a fim etc. Este é um dos motivos que fazem o sexo ser encarado como uma obrigação, e não como uma relação física em que duas pessoas buscam o prazer.

Estudiosos dizem que o excesso de convivência mata a química do amor-paixão-tesão. A total rotina e a previsibilidade um do outro, assim como a falta de criatividade no erotismo, que deixa o sexo ‘mecânico’, interferem na libido

Segundo a terapeuta sexual e de casais Ana Maria Zampieri, há muitas razões, principalmente culturais, pelas quais isso acontece. “Uma delas é a construção sócio-histórica de fundo religioso que diz que temos obrigação de satisfazer sexualmente os nossos cônjuges mesmo quando não há desejo sexual”, menciona. O ginecologista Eliano Pellini também acredita que, apesar de terem conquistado autonomia financeira, as mulheres, muitas vezes ainda se submetem aos parceiros, fornecendo sexo em troca de companhia. “Elas fingem gostar de sexo para garantirem carinho e proteção do homem, além de um status exigido pela sociedade. Muitas que reclamam de falta de desejo na verdade só querem ter uma melhor vida sexual para servirem ao parceiro”, afirma Eliano, membro da Comissão Científica de Sexualidade da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH) e chefe do setor de Sexualidade Humana de Ginecologia da Faculdade de Medicina do ABC.

Outro fator que contribui para a perda da libido e do prazer, que transforma o sexo em uma obrigação de casal, é a convivência. “Estudiosos dizem que o excesso de convivência mata a química do amor-paixão-tesão. A total rotina e a previsibilidade um do outro, assim como a falta de criatividade no erotismo, que deixa o sexo ‘mecânico’, interferem na libido. A perda de interesse em surpreender a outra pessoa faz com que ela deixe de se sentir especial”, explica a psicóloga Ana Maria Zampieri. Mas, se as pessoas se casam justamente para viverem juntas, como isso pode prejudicar a relação sexual? Para Eliano Pellini, os casais não estão preparados para a rotina e acabam se desencantando no casamento quando ela chega. “As mulheres carecem mais de estímulos do que propriamente da libido. Quando escolhem parceiros que se preocupam com elas e não apenas as usam como receptoras da carga negativa que eles acumulam durante o trabalho (que são expelidas, por exemplo, na ejaculação), as mulheres naturalmente redescobrem o desejo sexual”.

Fonte:bolsademulher

Sexo:Como lidar com a sexualidade

Padrão

Sexo é vida e vida é prazer!

Vivemos em um mundo muito sexual, onde o sexo está em toda parte e é usado para vender revistas, discos, filmes etc… Por vivermos em um país tropical, os nossos corpos quase sempre estão semi-nus, estimulando ainda mais a sexualidade, um instinto natural do ser humano.

Com a estimulação cada vez maior da sexualidade, hoje em dia é comum as pessoas manterem relações sexuais cada vez mais cedo…

Foi-se o tempo em que uma mulher se casava virgem, em que ela só conheceria o sexo através do seu marido… Conheço até uma senhora que diz que adoraria ter nascido nestes tempos, pois, apesar de bem casada, ela nunca experimentou uma relação sexual com outro homem que não fosse o seu marido e gostaria de ter tido esta oportunidade apenas para satisfazer a sua curiosidade.

Pois bem… hoje em dia fazer sexo é algo comum, normal e natural como sempre deveria ter sido: afinal, é um instinto do ser humano!

Mas para muitas mulheres, isto ainda é um fator que causa muita dor e sofrimento!

Como lidar com a sua sexualidade de forma positiva e sem sofrimentos?

A resposta parece difícil e complicada, não é mesmo?

MAS NÃO É!!!

Na verdade, muitas mulheres reclamam que seus parceiros não percebem o que elas desejam na hora das relações sexuais, como gostariam de ser tratadas… mas será que elas dizem para eles o que realmente desejam? Duvido!

É interessante observar que, apesar da mulher estar se destacando e se impondo em muitas áreas da vida social e profissional, quando o assunto é sexo, isso ainda é um tabu cheio de mistérios!

A mulher se sente sem coragem e sem saber exatamente como abordar o assunto, talvez até por desconhecer que formas seriam as melhores para estimulá-la! Será que ela conhece mesmo seus pontos de estimulação, aquilo que lhe dá prazer?

Por tudo isso, ela acaba por permanecer num estado de submissão ao seu parceiro, querendo que ele adivinhe o desejo dela. Talvez ela suponha que ele seja mais experiente “nesses assuntos”! E como diz o ditado, “quem cala, consente”, o parceiro acha que está agindo da forma certa, afinal, se ela não diz nada é porque deve estar sendo muito bom do jeito que ele age!

Muitas vezes, ela finge orgasmos apenas para agradar o seu parceiro e, por não ser estimulada da forma adequada não tem prazer… fica torcendo para que ele ejacule rapidinho…dessa forma, o ato sexual acaba e ela pode, enfim, dormir em paz!

Será que ela não percebe que está se privando de algo maravilhoso?

Ela até pode dizer… que nada… eu detesto sexo!

Como alguém pode detestar algo que dá muito prazer?

Talvez as experiências sexuais anteriores tenham sido negativas e traumáticas… mas isso não impede que ela possa vir a ter excelentes experiências pela frente… basta ela se dispor a experimentar novamente!

E como se faz isso?

As relações sexuais sempre devem ser geradoras de muito prazer e, para isso é preciso que, em primeiro lugar, você pergunte a si mesma o que a faz sentir prazer!

O primeiro passo é você conhecer o seu corpo. Você sabe que partes dele devem ser tocadas para dar-lhe mais prazer? Como estas partes devem ser tocadas? Quais são as suas fantasias sexuais?

O segundo passo é estabelecer um bom diálogo com o seu parceiro, falar para ele de seus medos, de suas dúvidas, receios… e falar também sobre como você gosta de ser acariciada, tocada, o que mais a agrada, que tipo de carícias a estimulam… dizer tudo sem medos, pois assim seu parceiro vai saber exatamente o que fazer para levá-la ao êxtase! Aproveite e pergunte a ele o que ele gosta que você faça para ele …afinal, sexo é feito entre duas pessoas e ambas devem ser estimuladas… se ele vai agradá-la, que tal você também fazer o mesmo?

Mas você poderia me perguntar: ahhhh…mas se eu disser para ele o que quero, o que ele vai pensar de mim?

Oras… se ele é um bom companheiro e tem afeto por você, ele irá adorar saber do que você gosta e procurará agradá-la, fazendo o que você deseja… ao mesmo tempo você estará abrindo caminho para que haja maior intimidade entre vocês e esta intimidade os levará a um relacionamento mais profundo e saudável!

O diálogo é fundamental!

Já se foi a época em que a mulher ficava quietinha em seu canto apenas tentando satisfazer o seu parceiro… sexo é troca, é diálogo, é poder falar de seus desejos sem preconceitos e experimentar novas formas de prazer!

Saiba que em sexo não existe o certo ou o errado, o importante é o que é bom para você e seu parceiro de comum acordo!

Viva a sua sexualidade de forma prazerosa!

Você merece!

“O mais importante nesta vida é ser feliz”.