Arquivo da tag: dieta

Chocolate: veja respostas para mitos e verdades

Padrão

o doce é viciante? a versão branca possui os mesmos benefícios?

É verdade que o doce faz bem à saúde? Chocolate diet tem mais calorias do que a versão tradicional? A delícia açucarada é alvo de muitas dúvidas e até preconceitos. A seguir, confira respostas para os principais mitos e verdades do chocolate.

  • 1
    Chocolate faz bem à saúde
    Verdade. Segundo a nutricionista Sabrina Longhi, da Clínica de Especialidades Integrada, “o chocolate possui flavonóides que reduzem o risco de doenças cardiovasculares, propiciam melhora do fluxo sanguíneo, reduzem a pressão arterial e melhoram os níveis de colesterol ruim”. “O cacau ainda contém antioxidantes que previnem o envelhecimento da pele”.

    Estudo sugere que chocolate reduz a pressão arterial
  • 2
    Comer chocolate pode ajudar na perda de peso?
    Verdade. “Estudos recentes apontam que os ácidos fenólicos presentes no cacau podem ajudar no processo de emagrecimento. Estas substâncias interferem na produção da leptina, o hormônio da saciedade, e ainda queimam mais calorias. Outra pesquisa sugere que o cacau pode inibir o organismo a estocar gordura”

    Pequena quantidade do doce, todos os dias, pode ajudar a emagrecer
  • 3
    O doce provoca acne
    Mito. De acordo com a dermatologista Paula Bellotti, “excluindo os casos especiais, como pessoas que apresentam alergias ou intolerância à lactose e glúten, não há nenhuma comprovação científica sobre os malefícios que o chocolate pode causar à pele. A acne pode ser provocada por uma dieta rica em carboidratos de alto índice glicêmico, como doces, pães e biscoitos, que tendem a gerar uma alteração na resistência do organismo à insulina, podendo causar o aparecimento de espinhas”.

    Acne: veja mitos e verdades 

  • 4
    Mulheres sentem mais vontade de comer chocolate no período pré-menstrual
    Verdade. “O chocolate estimula a liberação de serotonina e dopamina, neurotransmissores que costumam apresentar alterações neste período, provocando cansaço, ansiedade e tristeza”, explica Liliane. Os benefícios acabam estimulando o consumo do doce neste período de forma instintiva.

    TPM: confira dez dicas para aliviar os sintomas
  • 5
    Qualquer tipo de chocolate promove benefícios para a saúde
    Mito. “O ideal é consumir, diariamente, cerca de 30 gramas de chocolate do tipo amargo, com concentração de 50 a 70% de cacau. O doce comum, ao leite, possui maior teor de gordura e deve ser consumido ocasionalmente”

    Incluir chocolate na dieta pode ser bom para a sua saúde
  • 6
    Para as mulheres, o chocolate pode substituir o sexo
    Parcialmente verdade. Para Sabrina, “a necessidade do aumento no consumo do  chocolate pode identificar uma  deficiência de magnésio, mineral que participa da produção dos neurotransmissores que regulam o humor, a alegria e satisfação. O doce é rico em metilxantinas, substâncias que promovem bem estar emocional e sensação de prazer”.

    Confira os alimentos que colaboram para o bom desempenho sexual
  • 7
    Chocolate branco não possui benefícios para a saúde
    Verdade. “O chocolate branco é produzido através de uma  mistura de manteiga de cacau com outros ingredientes, como leite e açúcar. Como não possui massa de cacau, ele não contém as propriedades encontradas no chocolate preto amargo ou meio amargo. Ainda é mais calórico e rico em gordura saturada”

  • 8
    Existem pessoas viciadas em chocolate
    Parcialmente mito. “Não existem comprovações científicas de que o chocolate seja viciante. No entanto, o doce contém substâncias que estimulam a produção de serotonina, promovendo sensações de bem estar e prazer que poderiam levar ao consumo em excesso”

Chocolate: pequena quantidade, todos os dias, pode ajudar a emagrecer

Padrão

Você faz dieta e malha em dobro só para poder saborear um bombom após o almoço? Cientistas da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, descobriram que, além de conter benefícios para a saúde, o chocolate pode auxiliar na perda de peso. No estudo, os voluntários que comeram pequenas porções de chocolate, regularmente, apresentaram Índice de Massa Corporal (IMC) menor.

Chocolate seria capaz de acelerar o metabolismo
Os pesquisadores acreditam que os ingredientes do chocolate acelerem o metabolismo, ajudando a queimar gordura corporal, o que compensaria as calorias extras ingeridas com o doce. O estudo analisou os hábitos alimentares de 972 homens e mulheres, com idades entre 20 e 85 anos. Em média, os voluntários afirmaram consumir chocolate duas vezes na semana. A média dos participantes apresentava IMC 28, que é considerado sobrepeso.

Nos resultados, publicados no periódico Archives of Internal Medicine, os voluntários que comiam chocolate com frequência eram também aqueles que, diariamente, ingeriam mais gorduras saturadas e calorias, mas eram, justamente, aqueles com menor IMC. Para os cientistas, a resposta para o impacto sobre o peso final está na composição das calorias do alimento e não apenas na quantidade que é ingerida.

Na dúvida, escolha o chocolate amargo
A pesquisa não apontou qual a quantidade ou o tipo de chocolate considerado ideal para perder peso, mas outros estudos revelaram que a versão amarga ainda é capaz de equilibrar os níveis de colesterol e a pressão sanguínea. Os cientistas recomendam a ingestão diária de pequenos pedaços de chocolate amargo, mas ressaltam a importância de não exagerar, já que 100g representam 520 calorias a mais no cardápio.

 

Óleo de coco emagrece? Especialistas respondem

Padrão

O óleo de coco é uma das substâncias mais comentadas do momento. Recentemente, pesquisadores da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, adicionaram o óleo de coco virgem a bolinhos, consumidos por voluntários.O estudo mostrou que aqueles que ingeriram os bolinhos emagreceram além do esperado. Na região do abdômen, a perda de centímetros foi sete vezes maior, quando comparada ao grupo que não incluiu o óleo de coco na rotina alimentar.

A nutricionista Adriana Castro, explica que “a gordura de coco é capaz de gerar calor e queimar calorias, favorecendo a perda de peso”. O médico Guilherme Giorelli lembra que “o óleo também é indicado para diminuir os triglicérides e o mau colesterol (LDL), aumentar o bom colesterol (HDL) e por sua característica anti-inflamatória”.

A seguir, confira as dicas dos dois especialistas para consumir o óleo de coco:

  • 1
    Quantidade ideal
    Para quem deseja emagrecer, a nutricionista Adriana Castro aconselha a ingestão de até quatro colheres de sopa por dia. “Essa quantidade diminui o apetite e favorece a perda de peso, já que eleva o gasto energético do organismo. Quem segue dietas com restrição de gorduras deve começar com uma dose de meia colher de sopa ao dia e aumentar o consumo gradualmente”, pondera. Ela reforça que o óleo de coco não é um medicamento e, sim, um alimento complementar. Sendo assim, é preciso consumi-lo todos os dias para perceber os benefícios.


  • 2
    Combinação com outros alimentos
    Segundo Adriana, “o óleo de coco virgem tem sabor agradável e pode ser consumido puro. Ele também não altera o sabor de outros alimentos, o que permite usá-lo em substituição ao óleo de soja ou canola, e ainda misturá-lo em sucos e vitaminas, como tempero para saladas ou na receita de bolos e doces”.  “Nas refeições ricas em carboidrato, o óleo de coco virgem pode diminuir o índice glicêmico da refeição, deixando o prato mais saudável”.

  • 3
    Óleo de coco X óleo de coco virgem
    É importante ressaltar que os benefícios estão no óleo de coco virgem. “O óleo de coco é dividido em duas categorias: refinado e virgem. A versão refinada é obtida a partir do coco seco (sem umidade), chamado de copra, e não mantém suas propriedades benéficas. O óleo de coco virgem é obtido, por processos físicos, a partir de cocos frescos (de casca marrom) e úmidos. O alimento passa pelas etapas de prensagem e filtração, preservando seus fitoquímicos naturais”


  • 4
    Cápsulas de óleo de coco virgem
    Guilherme diz que “as cápsulas de coco ainda necessitam de estudos clínicos para comprovar sua ação benéfica”.


  • 5
    Demais indicações
    De acordo com Adriana, o óleo de coco virgem é capaz de prevenir certas doenças. “De todas as gorduras vegetais, a de coco apresenta a maior concentração de ácido láurico – mesmo ácido graxo presente no leite materno. O óleo de coco virgem melhora a absorção dos nutrientes, elevando todas as defesas do organismo. Ele também age na prevenção e no combate de fungos, como a cândida, e parasitas, como a giárdia”, complementa. A nutricionista diz que o óleo também regula a função intestinal, combate a fadiga crônica e a fibromialgia e ajuda no controle da diabetes, já que não estimula a liberação de insulina.


     

Alimentação para diabéticos

Padrão

Não é novidade nenhuma que o portador do diabetes vive muito bem se mantiver uma alimentação regrada e o índice de glicemia nos patamares ideais. Mas o que pouca gente sabe é que para fazer isso não é necessário um sacrifíco absurdo, desde que o paciente mantenha uma dieta saudável muito semelhante às que são indicadas para quem quer se alimentar bem e ter qualidade de vida.

Confira alguamas dicas de alimentação:

Arroz, pães e massas integrais:  Os carboidratos complexos presentes nesses alimentos são digeridos mais lentamente pelo organismo, liberando a glicose em pequenas doses. Isso é benéfico para o diabético, que não terá picos de índice glicêmico quando comer esse nutriente.

Leite desnatado: para reduzir o consumo de gordura, a recomendação é trocar leite integral por desnatado e preferir derivados mais magros. Não caia no mito de que a versão desnatada do leite tem menos quantidade de cálcio e proteínas que a integral. Na verdade, você ingere apenas menos gordura e não perde os benefícios.

Legumes e verduras à vontade: ricos em fibras, vitaminas e minerais antioxidantes, os legumes e verduras são importantes à nutrição e à saúde de todas as pessoas, mais ainda dos diabéticos, cuja dieta deve ser rica e variada nesses alimentos.

Atenção às frutas:As frutas, muitas vezes, são uma armadilha para a dieta dos diabéticos. É muito comum a pessoa achar que pode consumir frutas à vontade, pois são alimentos muito saudáveis.
Todas as frutas têm carboidratos simples, como a glicose. Só que, por conta das fibras e outros diversos nutrientes presentes nelas, podem ser consumidas em quantidades maiores que as de outros carboidratos simples. A recomendação para os diabéticos é ingerir no máximo três a quatro porções de fruta por dia, e sempre optando pelas menos calóricas.

Não exagere nas porções: o diabético pode estar fazendo uma dieta correta e rica em alimentos saudáveis, mas, se exagerar nas porções, estará caminhando na direção oposta. O excesso de calorias é nocivo ao diabético, mesmo que ele esteja comendo os alimentos mais indicados.

Dieta, exercícios físicos e até profissão podem alterar a expectativa de vida

Padrão

Você pretende viver até quantos anos? E o que você está fazendo para ter uma vida saudável? De acordo com a médica especializada em anti-aging, “diversos fatores influenciam na saúde de uma pessoa e na sua longevidade, como herança genética, prática de exercícios físicos, alimentação, tabagismo e até a profissão que exerce”.

  • 1
    Sintomas
    O primeiro passo para analisar o histórico de vida do paciente é uma entrevista. Nesta primeira consulta são feitos questionamentos sobre o que o paciente sente e as doenças que já teve.  De posse deste histórico, é possível identificar, a partir de sintomas e resultados de exames, uma doença que pode estar em atividade, seja ela silenciosa ou não.

  • 2
    Estilo de vida
    O estilo de vida é responsável por grande parte das doenças. A boa notícia, é que podemos evitar que elas se desenvolvam, adotando hábitos mais saudáveis. Fumo, consumo de álcool, sedentarismo e outras práticas fazem mal à saúde e podem causar impacto na longevidade. O tipo de profissão exercida, a alimentação, qualidade do sono e a frequência dos exercícios físicos são parte importante desta primeira análise.

  • 3
    Herança genética
    As doenças de fundo hereditário são aquelas que acontecem com pai, mãe, avós, irmãos e tios, elevando a incidência nos descentes. Hoje já é possível evitar doenças hereditárias, a partir da manipulação do gen causador do problema. Ou seja, se uma pessoa tem um familiar próximo com determinada doença não significa que, necessariamente, filhos, sobrinhos e netos também desenvolverão o problema. Diabetes, alguns tipos de câncer, hipertensão, doenças do coração e taxas de colesterol e triglicérides elevadas podem ser evitadas desta forma.

O óleo de abacate é o novo óleo de coco?

Padrão

Recém-chegado ao mercado nacional, o óleo de abacate está na fila para se tornar o próximo modismo “saudável”. Novidade no segmento de produtos naturais, ele engrossa a lista de produtos ricos em ácidos graxos e esteróis, como o azeite de oliva e o óleo de coco, que vem ganhando adeptos. Em outras palavras, é alternativa aos óleos comumente utilizados na cozinha (milho, girassol, canola etc) e nova fonte de “gordura do bem”. Contém substâncias importantes para o equilíbrio do bom e do mau colesterol, assim como para controlar os níveis de glicose, ajudando a prevenir doenças cardiovasculares e diabetes.

Segundo pesquisa da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP), o óleo de abacate pode prevenir e controlar o nível de colesterol ruim e triglicérides no sangue. O estudo, publicado na Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos, avaliou que a substância extraída da polpa da fruta pode ser excelente matéria-prima para a indústria de alimentos. Ainda segundo a coordenadora da pesquisa o óleo de abacate é uma boa fonte de vitamina E (30ml do óleo suprem 18% das necessidades diárias de um adulto), um poderoso antioxidante.

Abacate é um super alimento

No entanto, há quem defenda que o consumidor pode se beneficiar de tudo isso apenas consumindo a própria fruta. É o caso da nutricionista Andrea Santa Rosa. Segundo ela, o abacate é rico também em ômega 6 e 9, e é bom aliado para o emagrecimento e a redução do estresse. “É uma gordura anti-inflamatória, facilitando a utilização da glicose pelas células. Como lanche da tarde, traz saciedade para aquela fome oculta que surge de repente. Já ingerida à noite, por exemplo, ajuda a melhorar o sono, baixando o nível de cortisol. Uma noite reparadora é importante para quem está tentando perder peso”

na cozinha, se alterne o uso do óleo de abacate com o azeite de oliva e o óleo de coco no preparo de alimentos. Para não serem vítimas de modismos, a nutricionista sugere que os consumidores fiquem atentos às informações geralmente menos óbvias nos produtos, como procedência, composição e embalagem, que não deve ser de plástico.

Saiba o que comer para ter pele e cabelos bonitos

Padrão
abelos e pele merecem atenção especial das mulheres. Além de hidratação e cremes, a alimentação é a melhor forma de nutri-los e evitar problemas como queda de cabelos, pele seca e sem vida.

  • 1
    Cenoura e beterraba
    A nutricionista funcional Giovanna Arcuri recomenda o consumo desses alimentos o ano todo, mas especialmente no verão, já que a vitamina A presente na cenoura e na beterraba ajuda a ativar a melanina da pele, potencializando o bronzeado. “É importante entender que estes alimentos não protegem a pele dos raios solares. Para conquistar um belo bronzeado, use filtro solar e se exponha ao sol nos horários recomendados”,  a deficiência de vitamina A pode causar a escamação do couro cabeludo, prejudicando os fios.

  • 2
    Colágeno hidrolisado
    “Extraído de ossos, peles e tendões de animais, o colágeno hidrolisado em pó ou cápsulas estimula a produção do colágeno natural da pele, perdido com o passar do tempo”, diz Giovanna Arcuri. Murilo Drummond explica que a gelatina não tem o mesmo efeito benéfico sobre a produção do colágeno.

  • 3
    Castanhas, nozes e amêndoas
    “Ricas em selênio e vitamina E, são indispensáveis no cardápio de quem quer ter uma pele bonita. Com propriedades antioxidantes, essas substâncias previnem e retardam o envelhecimento da pele e contribuem ainda para manter sua elasticidade. Recomendo a ingestão de duas a três unidades por dia”, diz a nutricionista funcional Giovanna Arcuri.

  • 4
    Soja
    Giovanna Arcuri explica que a soja é rica em isoflavona, um fitohormônio semelhante ao estrógeno, presente no organismo. “Esse hormônio vegetal é capaz de evitar o ressecamento da pele e melhor a sua elasticidade”, diz a nutricionista funcional.

  • 5
    Proteínas
    Para manter os cabelos bonitos e evitar a queda dos fios, Giovanna Arcuri recomenda investir na ingestão de proteínas vegetais e animais. “Os fios do cabelo são formados basicamente de proteína (queratina). Para mantê-los saudáveis é importante ingerir fontes ricas em proteínas, como ovos, carnes magras, iogurte, queijo branco, leguminosas (feijão, soja e quinua) e grãos integrais. A carne vermelha é a mais indicada para ajudar no crescimento dos fios, já que contém maior quantidade de zinco e colágeno. O ideal é consumir 350g no almoço e no jantar”, orienta a nutricionista.

  • 6
    Prebióticos e probióticos
    “Os prebióticos são fibras conhecidas como inulina, oligo e frutooligossacarídeos, adicionados a alimentos industrializados com o objetivo de melhorar o funcionamento do intestino. Os probióticos são microorganismos vivos que, adicionados a iogurtes e leite fermentados, garantem regularidade intestinal, também facilitam a eliminação de toxinas, deixando a pele mais sedosa e livre de acne”, recomenda a nutricionista funcional Giovanna Arcuri.

  • 7
    Frutas vermelhas
    Para o dermatologista Murilo Drummond, as frutas vermelhas não devem faltar no prato de quem deseja ter pele e cabelos bonitos. “As frutas vermelhas são antioxidantes e ricas em vitamina B, que ajuda no funcionamento das células. Elas proporcionam brilho aos cabelos, renovam a pele e fortalecem as unhas”, diz o médico.

  • 8
    Água
    Segundo Giovanna Arcuri, a água é o mais potente hidratante que existe. “Para ter uma pele bonita e saudável, beba 2,5 litros por dia”. Murilo Drummond diz que os cabelos também precisam de água para manter a beleza dos fios. “Em dias mais quentes, consumir três litros de água por dia, já que a perda é maior com a transpiração”, orienta o dermatologista.

  • 9
    Ômega-3
    “O ômega-3 é  um excelente anti-inflamatório. Ele equilibra as taxas de colesterol triglicérides, o que, consequentemente, traz melhoras para a pele e os cabelos. Peixes oleaginosos como salmão e sardinha são boas fontes deste nutriente. O ideal é ingerir 2 vezes ao dia, em porção de 250 gramas, mas as cápsulas de ômega-3, vendidas em produtos naturais, também são eficientes.